SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.1 número3Perfil dos pacientes atendidos pelo programa Tratamento Fora de Domicílio no Município de Belém, Estado do Pará, BrasilOcorrência de hepatites virais, helmintíases e protozooses em primatas neotropicais procedentes de criação domiciliar: afecções de transmissão fecal-oral com potencial zoonótico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão On-line ISSN 2176-6223

Resumo

MULLER, Elza Caroline Alves; MORAIS, Maria Aline Aguiar de; GABBAY, Yvone Benchimol  e  LINHARES, Alexandre da Costa. Ocorrência de adenovírus em crianças com gastrenterite aguda grave na Cidade de Belém, Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude [online]. 2010, vol.1, n.3, pp.49-55. ISSN 2176-6223.  http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232010000300007.

As gastrenterites são uma das principais causas de doença infantil em todo mundo. Estudos epidemiológicos detectaram adenovírus em 2% a 22% dos casos de diarreia aguda infantil em hospitais e ambulatórios clínicos. Eles são responsáveis por 50% dos casos de intussuscepção intestinal pediátrica. O objetivo do estudo foi detectara presença desses vírus nas amostras fecais de 380 crianças menores de 3 anos de idade, com quadro de gastrenterite, em Belém, Estado do Pará, Brasil, com ênfase no sorotipo 40/41. As amostras foram provenientes de um estudo de vigilância hospitalar e ambulatorial realizado pelo Instituto Evandro Chagas no período de março a setembro de 2003. Foram usadas as técnicas de EIA e imunocromatografia para triagem; e cultura de células e PCR para tipagem. Os adenovírus foram encontrados em 6,3% (24/380) das amostras. Já o adenovírus entérico estava presente em 3,7% (14/380) das amostras testadas, equivalendo a 58,3% (14/24) dos casos positivos, o que demonstrou que esse vírus é causa de grande parte dos casos de gastrenterites em crianças. A técnica mais sensível foi a PCR, sendo capaz de definir sorotipos de cinco amostras que estavam sem definição. Os adenovírus entéricos predominaram na faixa etária de 18-24 meses e o maior número de casos ocorreu no mês de março de 2003, com tempo de hospitalização de maior frequência em torno de seis dias. Os resultados obtidos neste estudo confirmam a circulação desse vírus na Cidade de Belém, demonstrando a importância deles como causa de gastrenterite em crianças.

Palavras-chave : Gastrenterite; Adenovírus Humanos; Reação em Cadeia da Polimerase.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português | Espanhol     · Português ( pdf ) | Espanhol ( pdf )