SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.1 número3Soroprevalência do vírus linfotrópico de células T humanas em comunidades ribeirinhas da região nordeste do Estado do Pará, BrasilShewanella putrefaciens em lesão cutânea traumática índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão impressa ISSN 2176-6223versão On-line ISSN 2176-6223

Resumo

NOGUEIRA, Fátima  e  ROSARIO, Virgílio Estólio do. Métodos para avaliação da atividade antimalárica nas diferentes fases do ciclo de vida do Plasmodium. Rev Pan-Amaz Saude [online]. 2010, vol.1, n.3, pp.109-124. ISSN 2176-6223.  http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232010000300015.

A malária é uma doença transmitida por mosquitos e causada por parasitas do gênero Plasmodium. Em seres humanos, os parasitas multiplicam-se no fígado e, em seguida, infectam os eritrocitos. O ciclo de vida do Plasmodium consiste em uma fase sexuada no mosquito vetor (esporogonia) e uma fase assexuada no hospedeiro vertebrado (esquizogonia); ambas as fases podem ser detectadas por meio de testes. Em geral, a avaliação da atividade antimalárica de compostos é feita por testes in vivo e in vitro. A atividade antimalárica determinada por testes in vivo decorre de uma variedade de fatores associados tanto ao parasita quanto ao hospedeiro. Por outro lado, os testes in vitro mostram com mais precisão os efeitos "isolados" dos compostos sobre o metabolismo do parasita. A análise in vivo da atividade antiplasmódica pode ser realizada com o uso de modelos de roedores e pela avaliação da atividade bloqueadora do potencial vetor utilizando mosquitos. Há diversos testes in vitro para a avaliação da atividade antimalárica com base na observação do desenvolvimento do parasita em células sanguíneas por meio de gota espessa, ensaios isotópicos, quantificação de proteínas do parasita e testes de intercalação no DNA com o uso de corantes. Além da atividade antimalárica, um composto antimalárico promissor não deve apresentar toxicidade em relação às células hospedeiras; o grau de seletividade de um composto em relação ao parasita da malária envolve esta análise. Neste artigo, pretende-se resumir os métodos mais comumente utilizados para avaliar a atividade antimalárica de compostos durante os diferentes estágios do ciclo de vida do Plasmodium.

Palavras-chave : Malária; Resistência a Medicamentos; Antimaláricos; Testes Imunológicos de Citotoxicidade; Plasmodium.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )