SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.3 número1Cascas de ovos como um fator de identificação de Lutzomyia (Nyssomyia) intermedia (Lutz & Neiva, 1912) e Lutzomyia (Nyssomyia) neivai (Pinto, 1926) (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae), vetores da leishmaniose tegumentarSoroprevalência da infecção por Helicobacter pylori em uma amostra rural do Estado do Amazonas, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão impressa ISSN 2176-6223versão On-line ISSN 2176-6223

Resumo

MOURA, Tânia Cristina de et al. Independência funcional em indivíduos com paralisia cerebral associada à deficiência intelectual. Rev Pan-Amaz Saude [online]. 2012, vol.3, n.1, pp.25-32. ISSN 2176-6223.  http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232012000100004.

INTRODUÇÃO: O comprometimento intelectual é frequente em indivíduos com paralisia cerebral (PC) e pode influenciar a aquisição da independência funcional. OBJETIVO: Descrever os níveis de independência funcional em indivíduos com PC associada à deficiência intelectual (DI). MÉTODOS: A escala Medida da Independência Funcional (MIF) foi aplicada aos cuidadores de indivíduos com PC e DI e seu escore relacionado ao nível do Sistema de Classificação da Função Motora Grossa (Gross Motor Function Classification System - GMFCS), tipo de movimento, idade, gênero, presença de epilepsia, escolaridade dos pais, uso de medicação, renda per capita e benefício financeiro governamental. Para a análise estatística foram utilizados os testes não paramétricos de Mann-Whitney para comparação de duas variáveis e de Kruskal-Wallis para três variáveis. O coeficiente de correlação de Spearman foi estimado para variáveis quantitativas. RESULTADOS: Foram avaliados 21 indivíduos com PC e DI, entre 6 e 24 anos de idade. O melhor nível no GMFCS teve correlação positiva com as áreas de autocuidado, mobilidade e locomoção da MIF. A idade teve correlação positiva com as áreas de autocuidado, mobilidade, comunicação e cognição da MIF. Observou-se relação entre a maior escolaridade dos pais e menores escores de independência em autocuidado e cognição. CONCLUSÃO: Os indivíduos desta amostra com PC associada à DI foram considerados dependentes em 61% dos itens da escala MIF. Os maiores índices de independência foram observados nas áreas de alimentação, controle de esfíncteres e transferências. A idade dos sujeitos, a escolaridade dos pais e especialmente o nível no GMFCS foram as variáveis que mais se relacionaram à independência.

Palavras-chave : Paralisia Cerebral; Deficiência Intelectual; Atividades Cotidianas; Qualidade de Vida.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português     · Português ( pdf )