SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 númeroESPAspectos ecológicos da fauna de flebotomíneos em focos de leishmaniose na Amazônia Oriental, Estado do Pará, BrasilSurto de toxoplasmose aguda no Município de Ponta de Pedras, Arquipélago do Marajó, Estado do Pará, Brasil: características clínicas, laboratoriais e epidemiológicas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão impressa ISSN 2176-6223versão On-line ISSN 2176-6223

Resumo

GONCALVES, Raquel et al. Diversidade e ecologia de flebotomíneos (Psychodidae: Phlebotominae): focos de leishmaniose cutânea na Amazônia, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude [online]. 2016, vol.7, n.esp, pp.133-142. ISSN 2176-6223.  http://dx.doi.org/10.5123/s2176-62232016000500015.

O objetivo deste estudo foi descrever a fauna de flebotomíneos e seus respectivos índices ecológicos em zonas de risco de leishmaniose cutânea (LC). O estudo foi realizado no Município de Santarém, Estado do Pará, Brasil. Do total de 102 registros de pacientes com LC em 2010 e 2011, infectados com diferentes espécies de Leishmania, 31 foram selecionados. O estimador de densidade de Kernel foi utilizado. Armadilhas luminosas do tipo CDC (18:00-6:00 h, três noites, altura de 1,5 m) foram instaladas nas zonas de risco identificadas (dentro das casas, nos galinheiros e floresta ao entorno) em duas ocasiões: estações chuvosa e seca, em 2012. As armadilhas Shannon foram instaladas na floresta durante 3 h (19:00-21:00 h, uma noite). Os índices de Shannon (H'), Pielou (J') e de Dominância (D) foram calculados e dois circuitos espaciais (CE) de LC, CE1 (urbano-rural) e CE2 (rural), foram identificados. Flebotomíneos foram amostrados em CE1 (243) e CE2 (174). No total da amostra (417) havia 24 espécies de 10 gêneros, mas apenas 12 espécies foram encontradas em ambas as zonas de risco. Os índices ecológicos variaram consideravelmente (H' = 0,5-1,72; J = 0,44-0,78; D = 0,46-0,91). Os maiores valores de D na floresta (≥ 0,75) foram associados a Psychodopygus complexus durante as duas estações em CE1 e Psychodopygus davisi durante o período chuvoso em CE2. Outros vetores de LC foram identificados em menor frequência. Uma grande diversidade de espécies de flebotomíneos foi descrita em cada zona de risco. Os vetores de LC amostrados combinam com as espécies de Leishmania que infectaram os pacientes. A importância epidemiológica das espécies dominantes pode variar de acordo com as estações climáticas e zonas de risco em Santarém.

Palavras-chave : Ecologia; Phlebotomus; Leishmania; Leishmaniose Tegumentar; Zonas de Risco.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )