SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 número3Prevalência da infecção pelo vírus da hepatite B em um município do interior do estado do Acre, Amazônia Ocidental, BrasilInfecção oculta pelo vírus da hepatite B em comunidade amazônica submetida a intenso fluxo migratório, estado do Pará, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão impressa ISSN 2176-6223versão On-line ISSN 2176-6223

Resumo

SANTOS, Leonardo Miranda dos et al. Prevalência da infecção endocervical de Chlamydia trachomatis em universitárias do estado do Pará, Região Amazônica, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude [online]. 2017, vol.8, n.3, pp.27-33. ISSN 2176-6223.  http://dx.doi.org/10.5123/s2176-62232017000300004.

OBJETIVOS:

Descrever a prevalência e os fatores associados à infecção endocervical por Chlamydia trachomatis em estudantes de uma universidade da capital e de três de seus campi do interior do estado do Pará, Amazônia, Brasil.

MATERIAIS E MÉTODOS:

Estudo transversal, com mulheres de idade igual ou superior a 18 anos, que realizaram o preventivo do câncer do colo uterino, de setembro de 2010 a outubro de 2014. O DNA da secreção cérvico-vaginal foi extraído pelo método fenol-clorofórmio e submetido à amplificação dos genes da β-globina humana e ompA de C. trachomatis por reação em cadeia da polimerase. Foram utilizados os testes de Mann-Whitney, estimação da proporção e odds ratio para análises estatísticas. O p ≤ 0,05 foi considerado estatisticamente significativo para um intervalo de confiança (IC) de 95%.

RESULTADOS:

A prevalência de C. trachomatis foi de 11,9% [54/454 (IC 95% 8,9-14,9)]. A infecção foi identificada em 10,4% [36/345 (IC 95% 7,2-13,7)] das estudantes da Capital e em 16,5% [18/109 (IC 95% 10,3-24,6)] das estudantes dos campi do interior (p = 0,12), sendo de 7,1% (2/28) no Interior 1, 22,2% (6/27) no Interior 2 e 18,5% (10/54) no Interior 3. Não foi observada associação entre as variáveis investigadas e a infecção endocervical por C. trachomatis.

CONCLUSÃO:

A prevalência da infecção por C. trachomatis entre as universitárias se assemelhou à média encontrada no Brasil e não se mostrou associada às condições sociodemográficas e comportamentais das universitárias investigadas.

Palavras-chave : Doenças Bacterianas Sexualmente Transmissíveis; Doenças Negligenciadas; Estudos Transversais.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português     · Português ( pdf )