SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 número3Infecção oculta pelo vírus da hepatite B em comunidade amazônica submetida a intenso fluxo migratório, estado do Pará, BrasilCaracterísticas clínico-epidemiológicas da coinfecção por tuberculose e HIV e sua relação com o Índice de Desenvolvimento Humano no estado do Mato Grosso do Sul, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão impressa ISSN 2176-6223versão On-line ISSN 2176-6223

Resumo

RODRIGUES, João Gustavo Mendes et al. Larvas de trematódeos de Biomphalaria spp. (Gastropoda: Planorbidae) de dois municípios do leste da Amazônia Legal brasileira. Rev Pan-Amaz Saude [online]. 2017, vol.8, n.3, pp.51-58. ISSN 2176-6223.  http://dx.doi.org/10.5123/s2176-62232017000300006.

OBJETIVO:

Realizar um levantamento da biodiversidade de larvas de trematódeos oriundas de caramujos Biomphalaria spp. obtidos de criadouros naturais de dois municípios do estado do Maranhão, na porção leste da Amazônia Legal brasileira.

MATERIAIS E MÉTODOS:

Os gastrópodes foram coletados bimestralmente em três pontos distintos de São Luís e São Bento, de fevereiro de 2015 a janeiro de 2016. Os moluscos obtidos foram identificados por meio de morfologia externa e interna. As cercárias foram fixadas, coradas e identificadas com o auxílio de chaves taxonômicas.

RESULTADOS:

Foram coletados 2.661 moluscos em São Luís e 1.726 em São Bento, obtendo-se 3,72% (99/2.661) e 4,87% (84/1.726) de planorbídeos positivos para larvas de trematódeos, respectivamente, nas cidades estudadas. A helmintofauna foi representada, em São Luís, por Clinostomidae (0,41%), Diplostomidae (0,56%), Echinostomatidae (0,90%), Schistosomatidae (0,71%), Spirorchiidae (0,41%) e Strigeidae (0,71%); e, em São Bento, por Echinostomatidae (1,80%), Schistosomatidae (0,75%), Spirorchiidae (1,56%) e Strigeidae (0,75%). Entre as cercárias da família Schistosomatidae de ambos os municípios, relatou-se apenas a espécie Schistosoma mansoni. Em São Luís, as espécies de Biomphalaria apresentaram as seguintes taxas de infecção: 1,95% (52/2.661) para Biomphalaria straminea e 1,76% (47/2.661) para Biomphalaria glabrata; em São Bento, essas taxas foram de 4,46% (77/1.726) para B. glabrata e 0,40% (7/1.726) para B. straminea.

CONCLUSÃO:

As cercárias identificadas, com exceção de S. mansoni, foram consideradas primeiros relatos para São Luís, enquanto que, para São Bento, obteve-se o primeiro relato para a família Strigeidae.

Palavras-chave : Helmintofauna; Diversidade; Moluscos.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português     · Português ( pdf )