SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.9 número2A hanseníase em um distrito administrativo de Belém, estado do Pará, Brasil: relações entre território, socioeconomia e política pública em saúde, 2007-2013 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão impressa ISSN 2176-6223versão On-line ISSN 2176-6223

Resumo

MACEDO-SALES, Pãmella Antunes de et al. Diagnóstico laboratorial da esporotricose felina em amostras coletadas no estado do Rio de Janeiro, Brasil: limitações da citopatologia por imprint. Rev Pan-Amaz Saude [online]. 2018, vol.9, n.2, pp.13-19. ISSN 2176-6223.  http://dx.doi.org/10.5123/s2176-62232018000200002.

INTRODUÇÃO:

O estado do Rio de Janeiro vem passando por uma epidemia de esporotricose, considerada doença negligenciada, de transmissão zoonótica pelo felino doméstico (Felis catus). Apesar do isolamento de fungos do complexo Sporothrix schenckii em cultura micológica ser o padrão-ouro no diagnóstico, a citopatologia por imprint das lesões é rotineiramente utilizada na prática da clínica veterinária.

OBJETIVO:

Avaliar o desempenho da citopatologia como método diagnóstico da esporotricose em gatos com suspeita dessa micose, provenientes de diferentes áreas geográficas do estado do Rio de Janeiro, Brasil.

MATERIAIS E MÉTODOS:

Após avaliação clínica, o swab do exsudato e lâminas via imprint da lesão foram coletados de 196 felinos domésticos, com posterior semeadura em Ágar Sabouraud Dextrose e Mycosel e coloração das lâminas por Panótico Rápido.

RESULTADOS:

Dos 196 animais, 102 (52,0%) foram diagnosticados com esporotricose. Para 50,0% da população, os resultados da cultura e da citopatologia foram discordantes (p < 0,0001; χ² = 32,960), com a cultura micológica mais sensível (95,2%) que a citopatologia (52,6%). Para os animais tratados com dosagem de itraconazol ≥ 100 mg/dia, foi observada uma significante redução no desempenho diagnóstico da citopatologia (p = 0,0136). Contudo, o mesmo não foi verificado em relação ao tempo de tratamento ou às demais dosagens (p > 0,05).

CONCLUSÃO:

A dosagem de itraconazol ≥ 100 mg/dia, independente da duração do tratamento, reduz a sensibilidade diagnóstica da citopatologia. Tal resultado representa um alerta para o uso dessa ferramenta como recurso único para a confirmação diagnóstica da esporotricose felina na rotina da clínica veterinária.

Palavras-chave : Zoonoses; Sporothrix; Gatos; Técnicas e Procedimentos Diagnósticos.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )