SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número2Diferenciação territorial da hanseníase no Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Epidemiologia e Serviços de Saúde

versão impressa ISSN 1679-4974versão On-line ISSN 2337-9622

Epidemiol. Serv. Saúde v.16 n.2 Brasília jun. 2007

http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742007000200001 

EDITORIAL

 

Missões da revista Epidemiologia e Serviços de Saúde

 

 

Eliseu Alves Waldman

Membro do Comitê Editorial

 

 

Entre as missões da Epidemiologia e Serviços de Saúde que vêm sendo cumpridas com sucesso, estão as de apontar as prioridades da agenda nacional da Saúde e apresentar, analisar e avaliar os instrumentos e intervenções utilizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) nas diferentes esferas de governo, para proteger a saúde e promover o bem-estar da população.

Este número da revista segue essa linha rigorosamente. Dois artigos abordam temas tradicionalmente incluídos entre os de grande magnitude para a Saúde Pública, que, todavia, permanecem atuais. Com diferentes abordagens e abrangências, esses textos mostram a hanseníase 1 e a sífilis na gravidez 2 como desafios da rede básica de serviços, pois, mesmo dispondo de instrumentos efetivos para seu controle, por questões operacionais, não conseguiram, até o presente momento, atingir tal objetivo.

Temos também um interessante artigo sobre a história do controle do Aedes aegypti no Brasil,3 seu papel na expansão do dengue no país e as inúmeras limitações dos serviços de saúde, dada a inexistência de intervenções específicas e efetivas para sua contenção. Os autores não deixam de mencionar a importância do Aedes aegypti no início do século XX, como vetor da febre amarela urbana, quando, noutro contexto, sua eliminação foi possível.

Esta edição da revista apresenta, ainda, um estudo sobre transtornos mentais e comportamentais,4 tema relevante por sua magnitude e que precisa ser melhor conhecido e discutido pela comunidade e pelos próprios profissionais de saúde, especialmente em razão da dificuldade de equacionamento e abordagem desse problema, tanto na atenção individual como na formulação de políticas públicas.

Ademais desses temas, focalizados em doenças, destaca-se o artigo que avalia o Sistema de Informações Sobre Nascidos Vivos (Sinasc),5 cujo bom desempenho é fundamental para a construção de indicadores demográficos e de saúde confiáveis, indispensáveis à elaboração de políticas públicas consistentes.

Outrossim, os leitores têm a oportunidade de entrar em contato com uma amostra da produção acadêmica nacional, desenvolvida por alunos de cursos de especialização e pós-graduação como tema de suas monografias, dissertações e teses, selecionada por um comitê científico indicado pelo Ministério da Saúde por seu alto potencial de aplicação nos serviços de saúde. A leitura desses trabalhos permite-nos aquilatar o caráter multi e interdisciplinar da Saúde Pública e a importância da interação academia-serviços de saúde, não apenas na formação de recursos humanos como também na produção do conhecimento científico e desenvolvimento tecnológico, indispensáveis ao contínuo aprimoramento do SUS. A publicação desses trabalhos aponta mais uma das missões desta revista, a de atuar como instrumento de articulação entre a universidade e os serviços.

 

Referências Bibliográficas

1. Magalhães MCC, Rojas LI. Diferenciação territorial da hanseníase no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2007; 16(2): 75-84.

2. Saraceni V, Domingues RMSM, Vellozo V, Lauria LM, Dias MAB, Ratto KMN, Durovni, B. Vigilância da sífilis na gravidez. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2007; 16(2): 103-111.

3. Braga IA, Valle D. Aedes aegypti: histórico do controle no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2007; 16(2): 113-118.

4. Tuono VL, Mello Jorge MHP, Gotlieb SLD, Laurenti R. Transtornos mentais e comportamentais nas mortes de mulheres em idade fértil. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2007; 16(2): 85-92.

5. Frias PG, Pereira PMH, Vidal SA, Lira PIC. Avaliação da cobertura do Sistema de Informações Sobre Nascidos Vivos e a contribuição das fontes potenciais de notificação do nascimento em dois Municípios de Pernambuco, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2007; 16(2): 93-101.