SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número3Conhecimento sobre doenças e agravos de notificação compulsória entre profissionais da Estratégia Saúde da Família no município de Teresina, estado do Piauí, Brasil - 2010Acidentes com perfurocortantes e cobertura vacinal contra hepatite B entre trabalhadores da Saúde no Município de Santa Rosa, Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, 2008 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Epidemiologia e Serviços de Saúde

versão impressa ISSN 1679-4974versão On-line ISSN 2337-9622

Epidemiol. Serv. Saúde v.21 n.3 Brasília set. 2012

http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742012000300013 

ARTIGO ORIGINAL

 

Coinfecção pelos vírus das hepatites B ou C e da imunodeficiência adquirida: estudo exploratório no Estado de São Paulo, Brasil, 2007 a 2010

 

Co-infection of hepatitis B or C and human immunodeficiency virus: an exploratory study in the State of São Paulo, Brazil, 2007 to 2010

 

 

Norma Farias; Iára de Souza; Débora Moraes Coelho; Umbeliana Barbosa de Oliveira; Claudia Afonso Binelli

Programa Estadual de Hepatites Virais, Centro de Vigilância Epidemiológica Alexandre Vranjac, Coordenadoria de Controle de Doenças, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: descrever as características dos casos de coinfecção pelos vírus das hepatites B (VHB) e/ou C (VHC) e o vírus da imunodeficiência humana (HIV) no estado de São Paulo, Brasil.
MÉTODOS: estudo descritivo sobre casos notificados ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) entre 2007 e 2010; foram analisadas variáveis sociodemográficas, clínicas e comportamentais.
RESULTADOS: dos 46.969 casos notificados de hepatites virais, 1.318 (2,8%) corresponderam a casos de coinfecção HIV/VHB, 3.032 (6,45%) de coinfecção HIV/HCV e 201 (0,43%) de coinfecção HIV/VHB/VHC; o contato sexual com portadores do VHB ou VHC foi mais prevalente nas coinfecções HIV/VHB; uso de drogas apresentou maior proporção nos casos de coinfecção HIV/VHC e HIV/VHB/VHC, com maior frequência nos indivíduos com 40 anos de idade ou mais (p<0,001).
CONCLUSÃO: fatores de risco e mecanismos de transmissão comuns às hepatites virais e ao HIV podem explicar a frequência elevada de coinfecção.

Palavras-chave: Epidemiologia; Vírus da Hepatite B, Hepacivirus; HIV; Coinfecção.


ABSTRACT

OBJECTIVE: to describe the characteristics of cases of co-infection by virus of hepatitis B (HBV) and/or C (HCV) and human immunodeficiency virus (HIV) in the state of São Paulo, Brazil.
METHODS: a descriptive study about cases reported to the Information System for Notifiable Diseases (Sinan) in the period 2007-2010; were analyzed socio-demographic, clinical and behavioral variables.
RESULTS: in 46,969 reported cases of viral hepatitis, 1,318 (2.8%) corresponded to cases of co-infection HIV/HBV, 3,032 (6.45%) of co-infection HIV/HCV and 201 (0.43%) of co-infection HIV/HBV/HCV; sexual contact with carriers of HBV or HCV was more prevalent in HIV/HBV co-infection; use of drugs showed a higher proportion in cases of co-infection HIV/HCV, most often in individuals aged 40 years or more (p<0.001).
CONCLUSION: risk factors and transmission mechanisms common to hepatitis viruses and HIV may explain the high frequency of co-infection.

Key words: Epidemiology; Hepatitis B Virus; Hepacivirus; HIV; Coinfection.


 

 

Introdução

As hepatites virais B e C continuam sendo um dos mais importantes problemas de Saúde Pública. A Organização Mundial da Saúde - OMS - estima que haja cerca de 370 milhões de portadores crônicos do vírus da hepatite B (VHB) e 170 milhões do vírus da hepatite C (VHC) na população mundial.1,2 Em áreas altamente endêmicas ou entre grupos com alto risco de transmissão parenteral, é comum a ocorrência de coinfecções; porém, em todo o mundo não se conhece a prevalência da comorbidade relativa às hepatites B e C, pela ausência de estudos de base populacional.3

A coinfecção entre os vírus da imunodeficiência humana (HIV) e das hepatites virais B ou C é explicada pelas vias comuns de infecção ao vírus, principalmente a sexual e a parenteral.4,5 Estima-se que 70,0-90,0% dos pacientes soropositivos para o HIV apresentam marcadores sorológicos de infecção pregressa pelo vírus da hepatite B.6 A infecção crônica pelo VHB ocorre em 5,0 a 10,0% dos indivíduos infectados pelo HIV, ou seja, uma proporção dez vezes aquela observada na população geral.7 Estudo realizado em um centro hospitalar da cidade de Ribeirão Preto-SP mostrou prevalência de HIV/HBV de 20,4%.5 Estudos epidemiológicos mostram associação entre a ocorrência de HIV/VHB em adultos jovens e homens homossexuais.8

A semelhança entre os mecanismos de transmissão do HIV e VHC (parenteral; sexual; vertical) explica a ocorrência de coinfecção HIV/VHC.9 A prevalência da coinfecção é altamente variável e depende da ocorrência do VHC, do HIV e dos usuários de drogas nas populações estudadas.10 No ensaio clínico EUROSIDA, que acompanhou pacientes HIV-positivos em centros da Europa, a prevalência da coinfecção HIV/VHC na linha de base variou de 5,2% em Israel a 71,3% na Ucrânia.11 No Brasil, existem poucos estudos que relatam essa prevalência. Estudo realizado na cidade de Santos-SP, em indivíduos soropositivos para o HIV, mostrou uma prevalência de HIV/VHC de 36,2% (IC95%: 31,9-40,4). Entre os usuários de drogas injetáveis (UDI) , o percentual atingiu 84,8% (IC95%: 78,2-91,3).12 Vários fatores explicam a maior frequência do VHC em indivíduos HIV-positivos, como uso de drogas ilícitas, compartilhamento de seringas e transfusão de sangue.13-15

As hepatites virais B e C constituem um agravo de notificação compulsória. Os registros representam, principalmente, a captação de casos e a adesão dos serviços de saúde ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), e vêm aumentando progressivamente, a partir da década de 2000.16,17 A adesão ao Sinan, bem como a exploração dos dados disponíveis nos sistemas oficiais de informações, é importante para a prevenção e o controle das hepatites virais, contribuindo também para o conhecimento sobre a distribuição dos diversos fenômenos ligados à população e aos serviços de saúde.

O objetivo do presente estudo foi descrever as características epidemiológicas dos casos de hepatites B e/ou C coinfectados pelo HIV no Estado de São Paulo, no período de 2007 a 2010.

 

Métodos

Foi realizado um estudo descritivo com as informações dos casos notificados no banco de hepatites virais do Sinan, no período de 1o de janeiro de 2007 a 31 de março de 2010.

Os casos de hepatite C foram diagnosticados por meio do marcador anti-HCV (hepatitis C virus) reagente pelo teste ELISA (enzyme-linked immunosorbent assay), confirmado pela presença de HCV RNA (hepatitis C virus ribonucleic acid) usando RT-PCR (reverse transcription-polymerase chain reaction). Os casos de hepatite B são aqueles nos quais é detectado antígeno de superfície contra o vírus da hepatite B (HbsAg) e/ou anticorpo IgM contra o vírus B (anti-HBc IgM) no soro.

No presente estudo, foram incluídos os casos de hepatites B e/ou C coinfectados pelo HIV. Para a definição da coinfecção, foi usada a variável 'HIV como agravo associado', referida pelo usuário ao serviço de saúde e registrada na ficha epidemiológica do Sinan.

As variáveis selecionadas a partir da ficha de investigação epidemiológica foram: sexo; idade; cor da pele; escolaridade; contato sexual, domiciliar ou ocupacional com portador do VHB ou VHC; histórico de doenças sexualmente transmissíveis (DST); número de parceiros sexuais; uso de drogas injetáveis, inalatórias ou crack; tatuagem ou piercing; acupuntura; transfusão de sangue ou hemoderivados; tratamento cirúrgico; tratamento dentário; uso de medicamentos injetáveis; hemodiálise, transplante; e acidente com material biológico.

Foi realizada análise de dados por meio da distribuição de frequências das comorbidades associadas ao VHB/VHC, HIV/VHB, HIV/VHC e HIV, segundo as variáveis de exposição, em dois estratos, <40 anos e ≥40 anos de idade, usando o teste de qui-quadrado de Yates com nível de significância de 5%. Os dados foram analisados com apoio do programa Stata 10.

O presente estudo atende aos requisitos da ética na pesquisa envolvendo seres humanos. Os dados foram obtidos a partir de banco de dados secundários adotado na rotina dos serviços de saúde. Foi constituído um segundo banco para o estudo, sem a identificação dos indivíduos, manipulado apenas pelos autores e exclusivamente para esse fim.

 

Resultados

Foram estudados 46.969 casos notificados no banco de hepatites virais, dos quais 20.710 (44,0%) eram do sexo feminino e 26.259 (56,0% do sexo masculino), 18.472 (39,0%) tinham idade menor de 40 anos e 28.497 (61,0%) tinham idade igual ou superior a 40 anos. Do total de casos, 1.318 (2,8%) apresentavam coinfecção HIV/VHB, 3.032 (6,0%) coinfecção HIV/ HCV e 201 (0,4%) coinfecção HIV/VHB/VHC.

A Tabela 1 mostra a distribuição de casos de coinfecção HIV/VHB segundo as variáveis de exposição. Entre os 1.318 coinfectados, a maioria era do sexo masculino (aproximadamente 88,0%), de cor da pele branca (aproximadamente 63,0%), e cerca de 83,0% tinham escolaridade até o 1o ou o 2o grau completo.

 

 

Entre os 327 casos notificados com informação conhecida para a variável 'Contato sexual com portador de VHB ou VHC', cerca de 55,0% com resposta 'Sim' tinham menos de 40 anos de idade e 26,0% pertenciam ao grupo acima de 40 anos (p<0,001).

O contato domiciliar e ocupacional com portador foi registrado em cerca de 6,0% (24/430) e 8,0% (42/517) dos casos, respectivamente, entre aqueles cuja informação era conhecida para essas variáveis.

A ocorrência de DST foi registrada para 40,0% (339/848) dos coinfectados e 71,0% (671/951) tinham três ou mais parceiros sexuais, do total de casos com essas informações registradas. O uso de drogas injetáveis foi referido por cerca de 15,0% dos casos para os quais a informação era conhecida (n=1.017); e o uso de drogas inaláveis ou crack, por aproximadamente 27,0% daqueles que contavam com essa informação (n=952).

O uso de tatuagem ou piercing foi mais frequente entre os mais jovens, com 28,0% (115/403) dos casos com informação conhecida, frente ao grupo acima de 40 anos, com a respectiva proporção de 13,0% (37/280) (p=0,000). A acupuntura apresentou cerca de 3,0% (18/666) do total de casos onde a variável foi informada. Em relação à transfusão de sangue/ hemoderivados, este quesito foi registrado por cerca de 2,0% (14/623) entre os casos com menos de 40 anos de idade e de 5,0% (18/360) entre aqueles com 40 anos ou mais, considerando-se os casos que apresentaram registro da variável.

O tratamento cirúrgico foi relatado em aproximadamente 27,0% (188/699) dos casos, tratamento dentário em 50,0% (313/624) e uso de medicamentos injetáveis em 29,0% (202/686). A hemodiálise foi referida em 10 casos, os transplantes em 2 e os acidentes com material biológico em 4 casos.

A Tabela 2 apresenta a distribuição dos casos de coinfecção HIV/VHC de acordo com as variáveis de exposição. A ocorrência dessa comorbidade foi mais frequente no sexo masculino (73,0%=2.200/3.032)) e na cor da pele branca (34,0%=1.816/2.805).

 

 

Cerca de 16,0% dos indivíduos tiveram contato sexual com portador do VHB ou do VHC, entre aqueles com informação conhecida para essa variável (n=1.037). Para o contato domiciliar ou ocupacional, essa proporção foi de cerca de 6,0% (75/1293) e 2,0% (31/1502), respectivamente, considerando-se o total de casos com informação registrada para essas variáveis. A ocorrência de DST teve distribuição igual entre ambos os grupos etários, com cerca de 21,0% (501/2325) do total dos casos registrados. Não houve diferença entre os dois grupos quanto ao número de parceiros sexuais, com registro de três ou mais parceiros em 62,0% (1.405/2270) do total de casos que apresentaram registro dessa variável.

Quando a informação era conhecida, observou-se que o uso de drogas injetáveis foi mais frequente entre os indivíduos de 40 anos de idade ou mais (51,0%=665/1293), comparativamente ao grupo com menos de 40 anos (44,0%=532/1196) (p<0,001). O uso de drogas inaláveis ou crack representou cerca de 53,0% do total de casos informados (1.255/2.375).

Os mais jovens tiveram proporção maior de uso de tatuagem, com cerca de 33,0% (326/983) dos casos informados versus 22,0% (231/1056) para o grupo acima dos 40 anos (p<0,001). O uso de acupuntura foi referido em 3,0% (51/2011) dos casos com informação para a variável. A transfusão de sangue foi registrada em cerca de 6,0% (157/2491), tratamento cirúrgico em 32,0% (692/2164), tratamento dentário em 48,0% (939/1959) e uso de medicamentos injetáveis em 39,0% (827/2100), quando as informações para essas variáveis encontravam-se disponíveis.

Entre os co-infectados HIV/VHC, 20 casos registraram hemodiálise, 9 casos referiram tansplante e 12 casos sofreram acidente com material biológico.

A Tabela 3 mostra a distribuição dos 201 casos de coinfecção HIV/VHB/VHC, segundo as variáveis de exposição. Nota-se que o sexo masculino foi predominante entre os indivíduos de 40 anos ou mais (91,0%=97/107), comparado com a proporção equivalente para aqueles com menos de 40 anos (54,0%=51/94) (p=<0,001). A cor da pele branca foi predominante, com cerca de 62,0% (115/185), e o 2o grau foi o nível de escolaridade mais frequente, com cerca de 21,0% do total de casos.

 

 

A informação para contato sexual com portador de hepatite C ou B era conhecida em 65 casos notificados, sendo mais importante entre os mais jovens (73,0%=36/49). O percentual de casos que tiveram contato domiciliar foi de 41,0% entre aqueles nos quais essa informação foi registrada (n=85). Em 36,0% dos casos houve contato ocupacional, dos 89 casos com a informação conhecida.

Cerca de 19,0% dos casos tiveram histórico de DST, do total em que essa variável foi registrada (n=109). Não houve diferença estatisticamente significativa em relação ao número de parceiros sexuais por grupo etário. Quando a informação era conhecida, o uso de drogas injetáveis foi predominante nos casos de faixa etária acima de 40 anos de idade ou mais (64,0%=60/93), em relação àqueles com menos de 40 anos (30,0%=26/86) (p<0,001). O uso de drogas inaláveis ou crack correspondeu a cerca de 43,0% (63/147) dos casos.

O uso de tatuagem ou piercing correspondeu a cerca de 53,0% (84/158) dos casos com informação conhecida. O tratamento cirúrgico foi de 45,0% (61/134), o tratamento dentário de 56,0% (72/129) e o uso de medicamentos injetáveis de 48,0% (86/179) entre os casos com informações para essas variáveis.

Acupuntura foi referida em apenas 3 casos, transfusão de sangue em 10 casos, hemodiálise em 3 casos, e transplantes e acidentes com material biológico em 1 caso, entre os registros onde se encontrou a respectiva informação.

 

Discussão

O estudo mostrou as características epidemiológicas dos casos de hepatites B e/ou C coinfectados pelo HIV entre residentes no estado de São Paulo notificados no Sinan. Para todas as coinfecções (HIV/VHB, HIV/VHC, HIV/VHB/VHC), os casos eram predominantemente do sexo masculino, com 40 anos de idade ou mais, de cor da pele branca e com 1o ou 2o grau completo.

O contato sexual com um portador de vírus B ou C foi predominante nas coinfecções HIV/VHB e HIV/VHB/VHC. Da mesma forma, a ocorrência de DST e o número de parceiros sexuais teve maior frequência na coinfecção HIV/VHB. No entanto, as variáveis sexuais (histórico de DST e número de parceiros sexuais) também aparecem de forma relevante na coinfecção HIV/VHC.

Os mecanismos comuns à transmissão do VHB e do HIV e os fatores de risco justificam a frequência elevada de coinfecção.1,4 O VHB circula em altas concentrações no sangue e também pode ser encontrado em outros fluidos corporais, como sêmen e secreção vaginal, sendo 50 a 100 vezes mais infectante que o HIV.4,18 A literatura registra que a hepatite B crônica ocorre em 5,0 a 10,0% dos indivíduos soropositivos para o HIV, taxa dez vezes maior que a da população geral.7 No Brasil, a proporção de casos de coinfecção HIV/VHB em relação aos casos de hepatite B, registrados no Sinan entre 2007 e 2010, foi de 5,4% (2.799/51.364).17

Em relação à transmissão sexual do VHC, os estudos relatam um percentual desse modo de transmissão que varia de zero a 27,0% dos casos de hepatite C na população geral, sendo a maioria entre zero e 3,0%.19 Em populações específicas, como usuários de drogas injetáveis (UDI), homossexuais e trabalhadores do sexo, o risco de infecção pelo VHC pelo mesmo modo de transmissão mostra-se aumentado em relação ao da população geral.19-21 O VHC e o HIV compartilham vias semelhantes de transmissão e cerca de um quarto das pessoas vivendo com HIV são também portadoras do VHC.18 No Brasil, a proporção de coinfecção VHC/HIV no período de 2007 a 2010 foi de 11,4% (4.366/38.396) em relação aos casos de hepatite C confirmados.17 Entre 1999 e 2010, a via sexual apresenta-se como o terceiro modo de transmissão mais frequente da hepatite C, depois da via transfusional e do uso de drogas, representando 9,8% dos casos (6.358/69.952).17

Entre HIV-positivos, alguns estudos mostram que a hepatite C adquirida por transmissão sexual atinge principalmente a população de homens homos-sexuais.22

No presente estudo, o uso de drogas injetáveis, drogas inaláveis ou crack, apresentou maior proporção nos casos de coinfecções HIV/VHB/VHC e HIV/VHC. Na literatura, a maioria dos casos de coinfectados HIV/VHC são UDI.15,23 Nos Estados Unidos da América, 50,0 a 90,0% dos indivíduos UDI soropositivos para o HIV são coinfectados pelo VHC.23 Alguns estudos sugerem que o compartilhamento de objetos pessoais pode explicar, em parte, a transmissão do VHC em parceiros sexuais.15,19

A transfusão de sangue/hemoderivados apresentou menor proporção que as variáveis de comportamento sexual e o uso de drogas, sendo mais relatada entre os casos de coinfecção VHB/VHC do que nos casos de coinfecção com o HIV. Um estudo realizado em Hospital Universitário na cidade de Recife-PE mostrou que a transfusão sanguínea foi um fator de risco para a coinfecção HIV/VHC, independentemente de outros fatores.14 No Brasil, a hemovigilância foi reforçada pela normatização da coleta, processamento e transfusões de sangue e hemoderivados, por meio de Portaria do Ministério da Saúde publicada em 1993.24

O uso de medicamentos injetáveis apresentou percentual mais elevado nas coinfecções VHB/VHC e HIV/VHB/VHC comparado com as coinfecções HIV/VHB e HIV/VHC. O percentual de indivíduos que referiu tratamento dentário aproximou-se ou ultrapassou o percentual de 50,0% nos diversos segmentos. Comparando com os dados de hepatite C (sem presença de hepatite B ou HIV) para o mesmo período,25 tanto o uso de medicamentos injetáveis como o tratamento dentário apresentaram distribuição semelhante, com percentuais de 44,0 e de 60,0% respectivamente.

O uso de tatuagem aparece com maior frequência entre os mais jovens e teve maior percentual de registros na coinfecção HIV/VHB/VHC. Acupuntura, hemodiálise, transplantes e acidente com material biológico tiveram poucos relatos na comorbidade. Há evidências na literatura de que a coinfecção pela realização de tatuagens sem material estéril aumenta o risco de hepatite C.26 A tatuagem tem sido também relatada como fator de exposição ao VHB, embora tenha sido raramente relatada.23 Na maioria dos casos de transmissão do VHB ou VHC em procedimentos médico-cirúrgicos, a transmissão resulta da não adesão às técnicas de biossegurança e às recomendações para a adoção de práticas de prevenção e controle de infecção hospitalar.24

As limitações do estudo correspondem àquelas apresentadas por estudos com dados secundários, que podem comprometer a validade de seus resultados e conclusões. Há subnotificação de casos no Sinan: o número de registros 'Sem informação' todavia é alto para a maioria das variáveis e os dados não podem ser generalizados para a população do estado de São Paulo. No entanto, os achados do presente estudo constituem informações importantes para acrescentar conhecimento sobre o problema e para a elaboração de estratégias de prevenção e controle das hepatites virais.

 

Contribuição dos autores

Farias N foi responsável pela concepção do estudo, conduziu a redação do manuscrito e participou em todas as etapas de trabalho.

Sousa I participou da revisão dos dados e da discussão do estudo.

Coelho DM participou da revisão final do texto.

Oliveira UB e Binelli CA participaram da revisão final do texto.

 

Referências

1. World Health Organization. Hepatitis B. Fact sheet no 204. Geneva: World Health Organization; 2011 [acessado em 5 dez. 2011]. Disponível em http://www.who.int/media=centre/factsheets/fs204/en/

2. World Health Organization. Hepatitis C. Fact Sheep no 64. Geneva: World Health Organization; 2011 [acessado em 20 jul. 2011]. Disponível em http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs164/en/index.html

3. Chu CJ, Lee SD. Hepatitis B virus/hepatitis C virus coinfection: epidemiology, clinical features, viral interactions and treatment. Journal of Gastroenterology and Hepatology. 2008; 23(4):512-520.

4. Pavan MHP, Aoki FH, Monteiro DT, Gonçales NSL, Escanhoela CAF, Gonçales FL Jr. Viral hepatitis in patients infected with Human immunodeficiency virus. Brazilian Journal of Infectious Diseases. 2003; 7(4):253-261.

5. Souza MG, Passos ADC, Machado AA, Figueieredo JFC, Esmeraldino LE. HIV and hepatitis B virus co-infection: prevalence and risk factors. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2004; 37(5):391-395.

6. Sud A, Singh J, Dhiman RK, Wanchu A, Singh S, Chawla Y. Hepatitis B virus co-infection in HIV infected patients. Tropical Gastroenterology. 2001; 22(2):90-92.

7. Alter MJ. Epidemiology of viral hepatitis and HIV co-infection. Journal of Hepatology. 2006; 44 Supl 1:S6-9.

8. Porcy MSC. Estudo soroepidemiológico da coinfecção pelo vírus da hepatite B em portadores do HIV-1 e/ou com SIDA/AIDS no Estado do Amapá [Dissertação de Mestrado]. Belém (PA): Universidade Federal do Pará; 2006.

9. Di Martino V, Rufat P, Boyer N, Renard P, Degos F, Martinot-Peignoux M, et al. The influence of human immunodeficiency virus coinfection on chronic hepatitis C in injection drug users: a long-term retrospective cohort study. Hepatology. 2001; 34(6):1193-1199.

10. Wolff FH. Epidemiologia da infecção pelo vírus da hepatite C em portadores do vírus da imunodeficiência humana: genótipos e fatores de risco [Tese de Doutorado]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2007.

11. Rockstroh JK, Mocroft A, Soriano V, Tural C, Losso MH, Horban A, et al. Influence of hepatitis C vírus infection on HIV-1 disease progression and response to highly active antiretroviral therapy. Journal of Infectious Diseases. 2005; 192(6):992-1002.

12. Segurado AC, Braga P, Etzel A, Cardoso MRA. Hepatitis C vírus coinfection in a cohort of HIV-infected individuals from Santos, Brazil: seroprevalence and associated factors. AIDS Patient Care and STDs. 2004; 18(3):135-143.

13. Silva ACM, Barone AA. Fatores de risco para infecção pelo HIV em pacientes com o vírus da hepatite C. Revista de Saúde Pública. 2006; 40(3):482-488.

14. Carvalho FHP, Coelho MRCD, Vilella TAS, Silva JLA, Melo HRL. Co-infecção por HIV/HCV em hospital universitário de Recife, Brasil. Revista de Saúde Pública. 2009; 43(1):133-139.

15. Wolff FH, Fuchs SC, Barcellos NT, Falavigna M, Cohen M, Brandrão ABM, et al. Risk factors for hepatitis C virus infection in individuals infected with the HIV. Digestive and Liver Disease. 2008; 40(6):460-467.

16. Centro de Vigilância Epidemiológica "Alexandre Vranjac". Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças. Hepatites Virais B e C: dados estatísticos. São Paulo: CVE; 2011 [acessado em 27 jul. 2011]. Disponível em http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hepatite/hepa_graficos.htm

17. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico Hepatites Virais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

18. Lavanchy D. Hepatitis B virus epidemiology, disease burden, treatment, and current and emerging prevention and control measures. Journal of Viral Hepatitis. 2004; 11(2):97-107.

19. Cavalheiro NP. Sexual transmission of hepatitis C. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. 2007; 49(5):271-277.

20. Inciardi JA, Surratt HL, KURTZ SP. HIV, HBV, and HCV infections among drug-involved, inner-city, street sex workers in Miami, Florida. AIDS behave. 2006; 10(2):139-147.

21. Gambotti L, Batisse D, Colin-de-Verdiere N, Delaroque-Astagneau E, Desenclos JC, Dominguez S, et al. Acute hepatitis C infection in HIV positive men who have sex with men in Paris, France, 2001-2004. Euro Surveillance. 2005; 10(5):115-117.

22. Ingiliz P, Obemeier M, Weitner L, Cordes C, Moll A, Hintsche B, et al. Acute hepatitis C in persons infected with the human immunodeficiency virus (HIV): the "real-life setting" proves the concept. In: 46th Annual meeting of the European association for the study of the liver; 2011; Berlin, Alemanha. Berlin: EASL; 2011 [acessado em 5 dez. 2011]. Disponível em http://www.hivandhepatitis.com/2011_conference/easl2011/docs/0423_2010_b.html

23. Centers for Disease Control and Prevention. Hepatitis C virus and HIV coinfection. IDU HIV prevention. Atlanta: CDC; 2002 [acessado em 5 dez. 2011]. Disponível em http://www.cdc.gov/idu/hepatitis/hepc_and_hiv_co.pdf

24. Portaria no 1.376, de 19 de novembro de 1993. Regulamenta as normas técnicas para coleta, processamento e transfusões de sangue, componentes e derivados, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, p. 61, 2 dez. 1993.

25. Farias N, Oliveira UB, Coelho DM, Souza I. Fatores associados à hepatite c em residentes no Estado de São Paulo, 2007 a 2010. In: Anais do 8o Congresso Brasileiro de Epidemiologia; 2011; São Paulo, Brasil. São Paulo: ABRASCO; 2011.

26. Jafari S, Copes R, Baharlou S, Etminan M, Buxton J. Tattooing and the risk of transmission of hepatitis C: a systematic review and meta-analysis. International Journal of Infectious Diseases. 2010; 14(11):e928-940.

 

 

Endereço para correspondência:
Av. Dr. Arnaldo, 351, Pacaembu,
São Paulo-SP, Brasil.
CEP: 01246-000
E-mail: nfarias@saude.sp.gov.br

Recebido em 10/02/2012
Aprovado em 03/08/2012