SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número2Paquete csapAIH: la Lista Brasileña de Condiciones Sensibles a la Atención Primaria en el programa R índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

  • No hay articulos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Epidemiologia e Serviços de Saúde

versión impresa ISSN 1679-4974versión On-line ISSN 2337-9622

Epidemiol. Serv. Saúde vol.28 no.2 Brasília jun. 2019  Epub 22-Ago-2019

http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742019000200022 

REVISÃO NARRATIVA

Expansão da circulação do vírus Zika da África à América, 1947-2018: revisão da literatura*

Expansión de la circulación del virus Zika de África a América, 1947-2018: una revisión de literatura

Gilmara de Souza Sampaio (orcid: 0000-0001-7299-3740)1  , Carlos Brites (orcid: 0000-0002-4673-6991)1  , Jan Felix Drexler (orcid: 0000-0002-3509-0232)2  , Andres Moreira-Soto (orcid: 0000-0002-9224-5157)2  , Fernanda Miranda (orcid: 0000-0002-7654-6443)1  , Eduardo Martins Netto (orcid: 0000-0003-1691-6761)1 

1Universidade Federal da Bahia, Hospital Universitário Professor Edgard Santos, Salvador, BA, Brasil

2Charité - Universitätsmedizin Berlin, Institut für Virologie, Berlim, Alemanha

Resumo

Objetivo:

descrever as expansões temporal e geográfica da circulação do vírus Zika (ZIKV) em países e territórios, desde seu isolamento até 2018.

Métodos:

revisão não sistemática da literatura do período entre 1947 e 2018, utilizando a base MEDLINE e estimativas da Organização Mundial da Saúde.

Resultados:

desde seu isolamento em 1947, a circulação do ZIKV expandiu-se pela África, Ásia e Pacífico, até chegar à América em 2013, causando manifestações clínicas graves; as maiores soroprevalências foram registradas na ilha de Yap (74%) e no Brasil (63%); mutações genéticas, a ausência de imunidade e a alta susceptibilidade dos vetores podem ter influenciado sua transmissibilidade e ajudam a explicar a magnitude de sua expansão.

Conclusão:

a expansão da circulação do ZIKV nas Américas foi a mais ampla já registrada, possivelmente resultado de características populacionais e geográficas dos locais por onde o vírus circulou.

Palavras-chave: Zika virus; Flavivírus; Epidemiologia; Epidemias; Anormalidades Congênitas; Literatura de Revisão como Assunto

Resumen

Objetivo:

Describir las expansiones temporal y geográfica de la circulación del virus Zika en países y territorios, desde su aislamiento hasta 2018.

Métodos:

Revisión no sistemática de la literatura del período comprendido entre 1947 y 2018 utilizando la base MEDLINE y estimaciones de la Organización Mundial de la Salud.

Resultados:

Desde su aislamiento en 1947 la circulación del virus Zika se expandió por África, Asia y el Pacífico hasta llegar a América en 2013, causando manifestaciones clínicas graves. Las mayores seroprevalencias se registraron en la isla Yap (74%) y en Brasil (63%). Mutaciones genéticas, ausencia de inmunidad y alta susceptibilidad de los vectores pueden haber influenciado su transmisibilidad y ayudan a explicar la magnitud de su expansión.

Conclusión:

La expansión de la circulación del virus Zika en las Américas fue la más amplia ya registrada, posiblemente como resultado de características poblacionales y geográficas de los lugares por donde el virus circuló.

Palabras clave: Virus Zika; Flavivirus; Epidemiología; Epidemias; Anomalías Congénitas; Literatura de Revisión como Asunto

Introdução

Desde sua descoberta em 1947, o vírus Zika (ZIKV) foi responsável por casos esporádicos de infecções brandas, que não ensejavam maiores preocupações, limitados aos continentes africano e asiático.1 Este cenário mudou a partir de 2007, quando o vírus passou a ser considerado um patógeno capaz de causar grandes epidemias após ter produzido dois surtos em larga escala, em ilhas do Pacífico2-4 e na Polinésia Francesa.4-6 A circulação do ZIKV continuou sua expansão (Figura 1A). Em pouco tempo, o vírus passou a ser considerado um problema de Saúde Pública, associado a numerosos casos de microcefalia ocorridos no Brasil.7,8

Notas:

A) Marcos da expansão da circulação do vírus Zika até 2015.

B) Medidas adotadas pelas autoridades de saúde (Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde [OPAS] e Organização Mundial da Saúde [OMS]) diante do aumento do número de casos de microcefalia e síndrome de Guillain-Barré no Brasil.

Figura 1 - Cronologia da expansão da circulação do vírus Zika e das medidas adotadas pelas autoridades de saúde 

A preocupação quanto à gravidade das consequências da infecção fez o Ministério da Saúde declarar, no dia 11 de novembro de 2015, situação de Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional.9 A partir dessa comunicação, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) emitiu um alerta sobre o aumento no número de casos de microcefalia na região Nordeste do Brasil.10 Dias depois, em 28 de novembro de 2015, a despeito das poucas evidências, o Ministério da Saúde confirmou a relação existente entre o ZIKV e o surto de microcefalia.11 Logo, em 1º de dezembro de 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a OPAS emitiram um alerta sugerindo possível associação entre o ZIKV e o aumento de casos de anomalias congênitas e síndrome de Guillain-Barré.12 Em 1º de fevereiro de 2016, a OMS declarou Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional.13 A agilidade das ações de autoridades sanitárias e de pesquisadores permitiu a rápida comprovação da relação causal entre a infecção pelo ZIKV e a ocorrência de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central, posição endossada pela OMS em uma reunião do comitê de emergência ocorrida em junho de 201614 (Figura 1B).

O vírus teve confirmado seu potencial de ocasionar amplo espectro de manifestações clínicas, de sintomas inespecíficos, facilmente confundidos com outras viroses, a manifestações neurológicas e malformações congênitas.7,8,15-19 Até o final de 2016, 2.366 anormalidades congênitas associadas ao vírus foram confirmadas no país.20 O surgimento do ZIKV nas Américas e o potencial de expansão de sua circulação requerem melhor compreensão de seu perfil epidemiológico, para facilitar o entendimento das mudanças detectadas na infecção ao longo do tempo.

Esta revisão de literatura objetivou descrever as expansões temporal e geográfica da circulação do ZIKV em países e territórios, desde seu isolamento até 2018.

Métodos

Trata-se de uma revisão narrativa sobre a expansão da circulação do ZIKV ao longo dos anos, em países e territórios de diversos continentes. Foi realizada busca na base MEDLINE (via PubMed), mediante as seguintes palavras-chave extraídas dos Descritores em Ciências da Saúde (DeCS): ‘zika’, ‘zika virus’, ‘flavivirus’ e ‘arbovirus’. Foram elegíveis artigos que apresentassem evidências microbiológicas de infecção causada pelo ZIKV em humanos e não humanos, publicados entre 1947 e 2018, em qualquer região do mundo, e que contivessem informações completas sobre a realização do estudo: período, local, amostra, tipo de teste utilizado para o diagnóstico e resultado. Foram excluídos artigos que não apresentaram resultados de testes laboratoriais positivos para o vírus em humanos ou que não realizaram isolamento viral em não humanos. Não foi estabelecida restrição quanto ao idioma ou à gratuidade da publicação.

Adicionalmente, foram utilizadas estimativas, disponibilizadas no sítio eletrônico oficial da OPAS-OMS, de casos confirmados de Zika ou síndrome congênita associada à infecção, ocorridos em países ou territórios das Américas até janeiro de 2018.21 Para demostrar a magnitude da infecção em diferentes locais, a soroprevalência da infecção pelo ZIKV nas amostras examinadas foi calculada da seguinte maneira: primeiramente, foram somados os resultados de testes positivos, e o valor encontrado, dividido pela quantidade total de amostras em cada estudo.

A expansão global da circulação do ZIKV

Décadas de 1940 e 1950

Acredita-se que o ZIKV emergiu por volta de 1920,1 embora seu isolamento apenas tenha ocorrido em 1947, em estudo sobre febre amarela em macacos Rhesus conduzido por pesquisadores do Virus Research Institute.22 O termo ‘Zika’ foi tomado emprestado do nome da floresta de Zika, em Entebbe, Uganda, onde ficava sediado o instituto. Apesar de o referido estudo ter foco em febre amarela e dengue, os pesquisadores conseguiram evidências de que se tratava de um novo patógeno.22

Em 1948, menos de um ano após sua descoberta, o ZIKV foi isolado no vetor Aedes (Stegomyia) africanus,22-24 mesmo que ainda não se soubesse se esse era um vetor para o vírus.

O ZIKV se disseminou a partir de sua linhagem original, denominada de africana, expandindo-se sobre parte do continente africano.1 Houve duas introduções na África Ocidental, ocorridas em momentos distintos, originando duas linhagens africanas.14

As primeiras infecções humanas pelo vírus foram registradas em 1952, no continente africano, confirmadas pela presença em soro de anticorpos neutralizantes contra o ZIKV.25,26 Naquele período, não havia outra maneira de demonstrar a infecção pelo vírus, cujos resultados poderiam apresentar vieses devidos a uma possível resposta imune à vacina contra a febre amarela.24 Durante a década de 1950, estudos identificaram a presença desses anticorpos em residentes do norte da África,27 nas Áfricas Ocidental,25,28 Oriental22,26,29,30 e Central,31 além da Ásia Meridional32 e do Sudeste Asiático27,32-34 (Figura 2 e Figura 3A). As maiores soroprevalências foram registradas na Malásia e nas Filipinas: 50% e 36%, respectivamente (Tabela 1).

Legenda:

NT: teste de neutralização viral para detecção de anticorpos.

ELISA: ensaio imunoezimático.

TC: teste de fixação de complemento.

TPR: teste de proteção intracerebral em ratos.

IV: isolamento viral.

PCR: reação em cadeia de polimerase.

RT-PCR: reação de transcriptase reversa seguida de reação em cadeia de polimerase.

Figura 2 - Países ou territórios que registraram a circulação do vírus Zika entre os anos de 1947 e 2018, listados por continente e década de ocorrência 

Notas:

A) Países ou territórios com registro da circulação do vírus Zika até a década de 1950.

B) Países ou territórios com registro da circulação do vírus Zika durante as décadas de 1960, 1970, 1980 e 1990.

C) Países ou territórios com registro de circulação do vírus Zika na década de 2000; no círculo destacado, encontram-se ilhas do Pacífico.

D) Todos os países e territórios com registro da presença do vírus Zika entre 2010 e janeiro de 2018.

Figura 3 - Expansão geográfica e temporal do vírus Zika 

Tabela 1 - Soroprevalência do vírus Zika em humanos de acordo com o país atingido e o período da infecção, 1947-2016 

Período País/referência Tipo de teste utilizado Nº de casos Total Soroprevalência (%)
1947-1984a Uganda23,26,39,127,139 MPT, NT, HI 56 798 7
1947-1952 Tanzânia26 MPT 6 36 17
1951-1975b Nigéria25,28,40,53,128,132,138 NT,MPT,HI 1.090 3.018 36
1952 Índia27 NT 33 196 17
1953 Filipinas34 NT 19 53 36
1953, 1954 Malásia27,33 NT 90 179 50
1954 Tailândia33 NT 8 50 16
1954 Vietnã33 NT 2 50 4
1954 Egito27 NT 1 180 1
1957 Moçambique30 NT 10 149 7
1960-1972c Angola41,135 HI 202 5.082 4
1961-1979d República Centro-Africana42,125 HI 186 1.177 16
1961-1964 Etiópia49 HI 48 1.316 4
1962-1990e Senegal44,46,47 HI, ELISA 203 1.292 16
1963,1964 Burkina Faso40 HI 1.005 1.896 53
1963-1999f Costa do Marfim48,126 HI, ELISA 393 906 43
1964,1965 Guiné-Bissau45 HI 122 1.054 12
1964-1966 Togo40 HI 401 1.294 31
1964-2010g Camarões43,142 HI, FC 626 3.714 17
1964-1967 Mali40 HI 1.232 2.369 52
1965 Níger40 HI 55 308 18
1966 Somália39 HI 3 242 1
1966-1968 Quênia50,127 HI 509 3.134 16
1967 Benin40 HI 108 244 44
1967 Gabão40 HI 50 717 7
1972 Serra Leoa132 HI 62 899 7
1983 Paquistão131 FC 1 43 2
1983 Indonésia129,130 HI 9 71 13
2007 Ilha de Yap, Micronésia3 ELISA 414 557 74
2011-2013h Polinésia Francesa59 ELISA 319 1.069 30
2014 Zâmbia144 ELISA 217 3.625 6
2015-2016 Brasil123 ELISA, PRNT 401 633 63

a) 1947-1952, 1966, 1967, 1984.

b) 1951-1952, 1955, 1965, 1966, 1967, 1969-1971, 1971-1975, 1972.

c) 1960, 1971, 1972.

d) 1961, 1962, 1963, 1964, 1979.

e) 1962, 1988, 1990.

f) 1963-1965, 1999.

g) 1964-1966, 2010.

h) 2011-2013, 2014.

Legenda:

NT: teste de neutralização viral para detecção de anticorpos.

ELISA: ensaio imunoezimático.

FC: teste de fixação de complemento.

HI: teste de inibição da hemaglutinação.

TPR: teste de proteção intracerebral em ratos.

Nos três casos humanos identificados em 1954, foi observada a presença de icterícia, indicando que o vírus também pode ser viscerotrópico.28 Outra característica descrita foi sua afinidade por tecidos nervosos, verificada em camundongos que desenvolveram doenças neurológicas após serem infectados.35 Em 1956, constatou-se o Aedes aegypti como vetor para o ZIKV.36

Décadas de 1960 a 1990

A terceira linhagem do ZIKV, a asiática, teve origem a partir da cepa isolada na Malásia por volta de 1966,37 onde também foi registrada a primeira infecção pelo vírus atribuída ao vetor Aedes aegypti.38 Naquele período, evidências sorológicas e virológicas indicavam sua circulação por quase toda a África, em suas regiões Norte,39,40 Central,40-43 Ocidental40,44-48 e Oriental39,49,50 (Figura 2 e Figura 3B). A maior parte dos países dessas regiões se localiza na faixa de latitudes de clima tropical, o qual é propício ao desenvolvimento de vetores. A circulação concomitante dos vírus da febre amarela e do Zika foi constatada em uma região da Etiópia, em 1968.49 Estudos indicam que anticorpos contra o ZIKV podem atenuar a infecção pelo vírus da febre amarela mas não interferem na transmissão.51,52 Durante essas décadas, as mais altas soroprevalências foram registradas em Burkina Faso (53%), no Mali (52%) e em Benin (44%).

Década de 2000

Por mais de meio século, o ZIKV permaneceu confinado nos continentes africano e asiático, até emergir nas ilhas do Pacífico no final dos anos 2000.3 Entre abril e julho de 2007, ocorreu a primeira grande epidemia causada pelo vírus, na ilha de Yap, na Micronésia (Figura 2). Este surto apresentou alta incidência de infecção, em torno de 74% (intervalo de confiança de 95%: 68-77).3 Apesar de acometer a maior parte da população, poucos indivíduos, cerca de 20% do total de casos, foram sintomáticos e relataram, principalmente, exantema, conjuntivite e dores nas articulações.2,3 As amostras de soro dos residentes de Yap foram testadas por meio do ensaio de imunoabsorção enzimática (ELISA), do teste de neutralização viral para detecção de anticorpos (NT) e da reação de transcriptase reversa seguida de reação em cadeia de polimerase (RT-PCR). Análises filogenéticas mostraram que uma cepa de linhagem asiática do vírus foi a responsável por esse surto.2

Até o final dos anos 2000, o ZIKV foi isolado em vetores das espécies Ae. Aegypti, Ae. africanus, Ae. apicoargenteus, Ae. luteocephalus, Ae. vitattus, Ae. Furcifer e Ae. Hensilii,36,38,48,51,53 sendo esta última a espécie mais frequente no surto ocorrido em Yap.3 Por muito tempo, acreditou-se que a única forma de transmissão do vírus fosse a picada de mosquitos do gênero Aedes;2,23,29,38,53 em 2008, entretanto, dois pesquisadores infectaram-se no Senegal e um deles transmitiu o ZIKV à esposa, possivelmente por relação sexual.54 Outros estudos corroboraram essa hipótese ao indicarem a possibilidade da transmissão por essa via.55,56

Década de 2010

A década de 2010 foi marcada por descobertas importantes, como a possibilidade de transmissão vertical do ZIKV e de manifestações clínicas cuja associação à infecção eram inéditas, como anormalidades congênitas17,57,58 e a síndrome de Guillain-Barré.5,15,16

Naquele período, o vírus provocou uma nova epidemia, que atingiu parcela considerável da população da Polinésia Francesa a partir de 2013, com um total aproximado de 30 mil pessoas infectadas5,6,59 e 42 pacientes acometidos pela síndrome de Guillain-Barré.15,16 Essa epidemia foi consequência de uma nova cepa, surgida no mesmo ano, geneticamente relacionada às cepas isoladas em Yap no ano de 2007 e no Camboja em 2010.4,6 É provável que sua magnitude seja resultado de uma população com níveis baixos de imunidade, da alta densidade de vetores59 e de mutações genéticas, nas quais aminoácidos importantes foram modificados, aumentando a transmissibilidade do vírus pelo vetor Aedes aegypti.60

O ZIKV continuou sua expansão por outras ilhas do Oceano Pacífico4,5,59,61-64 e pelo Sudeste Asiático,65-72 até ser identificado nas Américas em maio de 2015.73-75 Entre 2015 e 2016, a soroprevalência apresentada no Brasil foi de 63% (Tabela 1).

Os marcos da expansão da circulação do vírus são apresentados na Figura 1A e sua expansão geográfica na Figura 3, destacados por períodos para evidenciar sua rapidez e abrangência.

Os testes de soroprevalência utilizados nos diversos estudos consultados diferem quanto à metodologia utilizada para o diagnóstico laboratorial e, portanto, apresentam diferentes níveis de sensibilidade e especificidade,76,77 comprometendo a comparabilidade dos resultados da aplicação de métodos distintos.

O teste mais utilizado foi a RT-PCR, empregada em 31 estudos, seguida pelo teste de hemaglutinação (HI), presente em 24 estudos, ELISA em 17 estudos, NT em 13 e teste de fixação de complemento (FC) em quatro. Alguns estudos utilizaram mais de um método de diagnóstico. A reação cruzada entre os anticorpos do ZIKV e de outros flavivírus também pode ter comprometido a correta estimativa da prevalência da infecção.78,79

O ZIKV nas Américas

Os primeiros estudos genéticos da cepa causadora da epidemia do ZIKV no continente americano sugerem que ela tenha se originado de uma única linhagem genotípica asiática, introduzida no Brasil entre o fim de 2013 e o início de 2014, proveniente da Polinésia Francesa.6,80-83 Quatro hipóteses foram levantadas a respeito da introdução do vírus no país. Em um primeiro momento, acreditou-se que ela teria acontecido em 2014, durante a Copa do Mundo de Futebol,74 apesar de não haver países do Pacífico entre as seleções participantes. Uma segunda possibilidade foi a de que a introdução teria ocorrido por ocasião do Campeonato Mundial de Canoagem em agosto de 2014, no Rio de Janeiro, onde participaram equipes de quatro países do Pacífico com casos registrados de Zika: Polinésia Francesa, Nova Caledônia, Ilhas Cook e Ilha de Páscoa.84 Contudo, a hipótese da entrada do vírus pelo Rio de Janeiro não ajuda a explicar os porquês de a região Nordeste concentrar uma quantidade tão superior de casos. A terceira hipótese sustentou que a introdução se dera um ano antes, entre julho e agosto de 2013, quando se realizava a Copa das Confederações.81 Segundo a quarta e última hipótese, o vírus teria circulado pela Oceania e pela Ilha de Páscoa, disseminando-se para a América Central e Caribe até chegar ao Brasil no final do mesmo ano.85 Os casos estudados tinham como único ancestral uma cepa do Haiti, uma indicação da introdução do ZIKV no Brasil por imigrantes ou militares brasileiros que haviam regressado do país caribenho. No entanto, estudos recentes indicam uma rota contrária percorrida pelo vírus, do Brasil para a América Central, à qual adentraria por Honduras, entre os meses de julho e setembro de 2014.86 A análise filogeográfica estimou que o vírus tenha chegado ao país vindo do Brasil e, posteriormente, se expandido à Guatemala, Nicarágua e sul do México, até o início de 2015. Outro estudo corrobora a hipótese de a introdução na América do Sul preceder a da América Central, possivelmente na primeira metade de 2013.60

Em outubro de 2014, alguns municípios dos estados do Rio Grande do Norte, Paraíba e Maranhão notificaram casos suspeitos de doença viral, com presença de exantema, febre baixa, prurido e dor articular, sintomas não enquadrados nas definições de caso suspeito de outras doenças exantemáticas, a exemplo do sarampo e da dengue. Logo, outros seis estados notificaram casos de síndrome exantemática, entre outubro de 2014 e março de 2015.75 A circulação intensa e concomitante de outros flavivírus, aliada à apresentação clínica semelhante, à baixa especificidade dos testes diagnósticos ELISA para a dengue76 e ao fato de a presença do patógeno no país ainda ser ignorada, não indicavam o ZIKV como principal suspeito.

Em março de 2015, amostras provenientes do Rio Grande do Norte e da Bahia apresentaram resultados positivos para o vírus, confirmados por RT-PCR.73,74 Sua disseminação alcançou mais além das fronteiras do Brasil. Até o final de 2015, dez países das Américas Central e do Sul já haviam registrado casos autóctones,87 número que aumentou rapidamente para 48 ao final do ano seguinte88,89 (Figura 2 e Figura 3D). Apenas Canadá e Bermudas, ambos localizados na América do Norte, e Chile e Uruguai, estes na América do Sul, não apresentaram casos autóctones. A Figura 4 demonstra a expansão geográfica e temporal da circulação do ZIKV nas Américas, desde seu primeiro registro no continente até o ano de 2017.

Notas:

A) Países ou territórios com registro de circulação do vírus Zika entre os anos de 2014 e 2015.

B) Países ou territórios com registro de circulação do vírus Zika no ano de 2016.

C) Países ou territórios com registro de circulação do vírus Zika em 2017.

Figura 4 - Expansão geográfica e temporal do vírus Zika nas Américas, 2015- 2017 

O Brasil foi o país que apresentou o maior número de infecções pelo ZIKV, com um total de 137.288 casos confirmados entre 2015 e janeiro de 2018, seguido por Porto Rico e México, com 40.562 e 11.805 confirmações respectivamente.21 Houve uma redução de mais de 95% no número total de casos, em comparação aos registros do ano anterior, de forma que em 18 de novembro de 2016, a OMS deixou de considerar o vírus como uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional.90 Em maio de 2017, foi a vez do Ministério da Saúde declarar o fim da emergência.91

No primeiro semestre de 2015, foi observada mudança no padrão de ocorrência da síndrome de Guillain-Barré em dois estados da região Nordeste, Pernambuco e Bahia: no primeiro, o número de casos triplicou em comparação ao ano anterior, com pico no mês de abril, enquanto a Bahia registrou pico de ocorrência da síndrome entre os meses de junho e julho.92,93 No mesmo período, quatro pacientes submetidos a transplantes de órgãos sólidos foram infectados pelo ZIKV, diagnosticados por RT-PCR entre junho de 2015 e janeiro de 2016.94 Em outubro do mesmo ano, foi detectada uma mudança no padrão epidemiológico de ocorrência da microcefalia, quando as autoridades sanitárias pernambucanas informaram o Ministério da Saúde sobre um aumento significativo no número de casos.95 No final de novembro de 2015, o Instituto Evandro Chagas do Pará, órgão vinculado à Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (IEC/SVS/MS), enviou o resultado de exames realizados em um bebê com microcefalia: presença do ZIKV em sangue e tecidos, o que fez o Ministério da Saúde confirmar sua relação com a microcefalia.11

Até o final de 2016, 22 países já haviam registrado casos da síndrome congênita associada à infecção pelo vírus: um total de 2.525 notificações, das quais 2.289 (90%) no Brasil.96 Até dezembro de 2017, as 27 Unidades da Federação (UFs) registraram, juntas, 3.071 casos de microcefalia, dos quais 2.004 (65%) na região Nordeste.97 Esse quantitativo viu-se reduzido, de forma significativa, para 123 novos casos entre janeiro e maio de 2018. Afinal, foram totalizados 3.194 registros possivelmente associados à infecção pelo ZIKV desde o início de sua contabilização em 2015.98 O vírus, causador dessa pandemia, havia se tornado potencial ameaça à Saúde Pública devido a sua associação a complicações neurológicas e malformações congênitas, amplamente documentadas.7,8,12,18,19

As epidemias provocadas pelo vírus trouxeram à tona um amplo espectro de manifestações clínicas; todavia, não é possível conhecer a magnitude das complicações relacionadas à infecção, possivelmente maior que as apresentadas até o momento. Pouco se sabe de questões como a gravidade da apresentação clínica da infecção pelo ZIKV ou sua carga viral, e sua influência no espectro clínico observado em diferentes lugares e populações.99

Um estudo descritivo100 avaliou 1.950 casos confirmados de microcefalia, dos quais 1.373 na região Nordeste, a partir de dados secundários obtidos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) referentes ao período entre 1º de janeiro de 2015 a 12 de novembro de 2016. Seus resultados revelaram duas ondas de infecção pelo vírus: na primeira onda, em 2015, houve um pico mensal de ocorrência de microcefalia estimado em 50 casos por 10 mil nascidos vivos, a maior parte deles (70% do total) residentes na região Nordeste; na segunda onda, a ocorrência foi bem menor, com picos mensais estimados variando de 3 a 15 casos por cada 10 mil nascidos vivos. O número de casos de microcefalia relacionados à infecção após ambos os surtos, ou ondas, apresentou variação temporal, de acordo com a região do país; entretanto, as razões para essas diferenças ainda carecem de esclarecimentos.

Uma possível explicação para o resultado dessas estimativas é o fato de, durante a segunda onda de infecção, já existirem fundadas suspeitas da relação entre a infecção pelo ZIKV e os casos de microcefalia observados, o que levou o governo a divulgar campanhas com o propósito de informar a população. Gestantes passaram a adotar medidas preventivas, para evitar contato com o vetor, a exemplo do uso de repelentes, telas de proteção nas casas e até mesmo o adiamento de gravidez desejada.100

Pouco se sabe de variações genéticas entre as linhagens do vírus e sua capacidade de interferir na patogenicidade do ZIKV.101 Um estudo experimental, que utilizou troboblastos derivados de células-tronco embrionárias humanas, mostrou diferenças entre as linhagens africana e asiática quanto a seu comportamento na placenta. Foi verificada a ocorrência de lise celular - processo pelo qual a célula é destruída ou dissolvida pela ruptura da membrana plasmática - apenas nas infecções pelo vírus da linhagem africana; porém, não foram identificadas diferenças quanto às taxas de replicação viral entre as infecções causadas pelas duas cepas. Essa característica permite inferir que uma infecção por uma cepa africana no início da gravidez, provavelmente, resultaria em aborto ao invés de malformações congênitas.102

É possível que o potencial patogênico do ZIKV dependa de variações genéticas individuais, conforme indicam evidências de um trabalho experimental comparativo de três pares de gêmeos dizigóticos, em que apenas um deles foi diagnosticado com a síndrome congênita do ZIKV. Foi verificado que, após infectar os tecidos neurais, o vírus causou retardo no crescimento das células dos gêmeos com a síndrome e aumentou a replicação viral. Os resultados das análises de transcriptoma mostraram uma diferença significativa no nível de uma proteína inibidora de mTOR, DDIT4L, entre os gêmeos com e sem a síndrome. Os resultados encontrados sugerem a existência de relação entre a disposição genética individual e o aumento da sinalização de mTOR e, como as vias de sinalização da mTOR são críticas para a depuração viral mediada por autofagia, as infecções pelo ZIKV são intensificadas nessas pessoas.103

Discussão

Os fatores que levaram à ampla e rápida emergência, disseminação e aparente aumento da patogenicidade do ZIKV no Pacífico e nas Américas ainda não foram totalmente compreendidos. É possível que haja vários mecanismos atuantes, entre os quais mutações virais que aumentariam a transmissão de humanos para mosquitos, modulando a resposta imune do hospedeiro.104-107 Outro fator carente de explicação é a ausência de grandes epidemias na África e na Ásia. O fato foi hipotetizado como possível reflexo de níveis mais altos de imunidade conferida por proteção cruzada contra outros flavivírus relacionados ao ZIKV,104 ou então, que as epidemias, existentes de fato, tenham sido associadas à dengue devido à semelhança clínica de ambas as viroses e à reatividade cruzada de seus anticorpos.37,108 Outro estudo corrobora a hipótese de não terem ocorrido grandes surtos na África porque o Aedes aegypti de origem africana seria menos susceptível às cepas do vírus que o de origem não africana. Ao mesmo tempo, tal característica não ajudou a esclarecer a razão da não existência de grandes surtos na Ásia, ao contrário das Américas, cujas populações tinham níveis semelhantes de susceptibilidade.109

A intensidade da disseminação, a viremia e os sintomas clínicos causados pelo ZIKV nas Américas, incluindo a microcefalia, poderiam se intensificar pela imunidade contra o vírus da dengue existente em regiões endêmicas.110 Contudo, um estudo de coorte pediátrica, conduzido na Nicarágua entre janeiro de 2016 e fevereiro de 2017, acompanhou 3.700 crianças de 2 a 14 anos e concluiu que pode ocorrer o contrário: uma redução nos sintomas da infecção por ZIKV devido à imunização prévia pelo vírus da dengue.111 Esta última hipótese é corroborada por uma pesquisa - um experimento com camundongos - que demonstrou o efeito da infecção por dengue nas células T CD8+ ao garantir proteção cruzada contra o ZIKV durante a gravidez.112 Outro fator capaz de ter intensificado a disseminação foi uma simples alteração genética na poliproteína do vírus, acontecida antes do surto de 2013, suficiente para aumentar de forma permanente sua infectabilidade em células neurais humanas.105 Este fato ajudaria a explicar o porquê de os casos de microcefalia terem sido tão numerosos na América quando comparados a outros continentes.

Mais aspectos a serem considerados estão relacionados à susceptibilidade do Aedes aegypti e do Aedes albopictus, bem como das cepas do ZIKV, devido a diferenças genéticas que influenciam os níveis de resposta dos vetores à infecção e à consequente transmissibilidade do vírus.113-120 A cepa americana é mais facilmente transmitida que a cepa asiática, da qual deriva, hipótese confirmada pela análise de saliva do vetor: apenas a amostra que continha a cepa americana mantinha o vírus viável passados três dias da infecção, além de apresentar uma taxa de infecção superior em Aedes aegypti.121

O Nordeste brasileiro registrou o maior número de casos de Zika e de microcefalia. Alguns dos motivos apontados foram apresentados por um estudo de análise ecológica: a concomitância da circulação do vírus causador da febre Chikungunya, presente na região, poderia elevar o risco de transmissão de outras doenças infecciosas.122 Outro estudo encontrou uma prevalência mais alta da infecção pelo ZIKV em estratos sociais mais pobres.123 O fato de as primeiras notificações da infecção terem ocorrido na região Nordeste do país, aliado aos massivos alertas midiáticos subsequentes, ajudaram na adoção de medidas que, possivelmente, contiveram o aumento da disseminação do vírus por outras regiões. Poder-se-ia aplicar o mesmo raciocínio ao Brasil, onde foram registradas as primeiras infecções, e aos demais países da América Latina, que não apresentaram casos numerosos.

A epidemia do Brasil apresentou acentuado declínio nos registros de infecções a partir de 2017. A cessação teve como possível causa a alta soroprevalência da população, o que teria conferido imunidade contra o ZIKV.123,124 Um estudo conduzido na Bahia, estado do Nordeste, avaliou 633 indivíduos mediante suas amostras de soro coletadas entre os anos de 2015 e 2016. Os resultados dessas análises mostraram um rápido aumento na soroprevalência da infecção pelo vírus na população, até atingir 63% em 2016.123 É possível que as características populacionais e geográficas tenham influenciado diretamente a velocidade da propagação, e suas possíveis razões estariam nas variações de densidade de vetores, imunidade e mudanças nos hábitos de rotina, além da alta mobilidade populacional.100,120,123

O surto nas Américas cessou. Não obstante, um trabalho apoiado em modelo espacial estocástico indicou a possibilidade de surgimento de novas epidemias com intervalos de aproximados dez anos, tempo necessário para a renovação de parcela da população de forma a se tornar novamente susceptível.124

Em conclusão, a expansão da circulação do ZIKV verificada na última década foi a mais rápida e ampla já registrada, e teve, como possíveis fatores agravantes, mutações genéticas que potencializaram sua transmissibilidade, aliadas à favorabilidade das características populacionais e geográficas das regiões por onde o vírus circulou. Havia a expectativa de que ocorressem numerosos casos de microcefalia na maior parte dos países das Américas,99 afinal não confirmada. De forma semelhante, permanecem não totalmente esclarecidos os motivos para o Brasil ter registrado uma quantidade tão superior de casos, na comparação com outros países da América Latina, assim como as razões de a região Nordeste ter concentrado a maior parcela das infecções registradas no país, provocando várias questões - sem resposta - acerca da expansão da circulação do vírus e sua patogenicidade. Outra limitação desta revisão de literatura remete às diferentes metodologias adotadas nos estudos consultados, dificultando a obtenção de valores precisos de soroprevalência. A reatividade cruzada, causada por anticorpos contra outros flavivírus, foi um empecilho limitante da acurácia dos resultados apresentados.76

Mais pesquisas serão necessárias para suprir as lacunas de conhecimento sobre a patogênese do ZIKV e avaliar os riscos locais; estudos de soroprevalência, para identificar regiões vulneráveis à infecção, de forma a antever o potencial de futuras epidemias. Como benefício do trabalho em tela, as autoridades sanitárias teriam seus esforços mais bem direcionados, de modo a contribuir com o desenvolvimento de medidas efetivas de controle da infecção pelo vírus Zika.

Outrossim, deve-se estimular o desenvolvimento de vacinas, de modo a se interromper a cadeia de transmissão e evitar futuros surtos e epidemias.

Agradecimentos

À Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), pelo apoio ao desenvolvimento do estudo.

Referências

1. Faye O, Freire CCM, Iamarino A, Faye O, Oliveira JVC, Diallo M, et al. Molecular evolution of Zika Virus during its emergence in the 20 th century. PLOS Negl Trop Dis [Internet]. 2014 Jan [citado 2019 May 8]; 8(1):e2636. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0002636 . doi: 10.1371/journal.pntd.0002636 [ Links ]

2. Lanciotti RS, Kosoy OL, Laven JJ, Velez JO, Lambert AJ, Johnson AJ, et al. Genetic and serologic properties of Zika virus associated with an epidemic, Yap State, Micronesia, 2007. Emerg Infect Dis [Internet]. 2008 Aug [citado 2019 May 8];14(8):1232-9. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/14/8/08-0287_article . doi: 10.3201/eid1408.080287 [ Links ]

3. Duffy MR, Chen T-H, Hancock WT, Powers AM, Kool JL, Lanciotti RS, et al. Zika virus outbreak on Yap Island, Federated States of Micronesia. New Engl J Med [Internet]. 2009 Jun [citado 2019 May 8];360(24):2536-43. Disponível em: Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa0805715 . doi: 10.1056/NEJMoa0805715 [ Links ]

4. Musso D, Nilles EJ, Cao-Lormeau VM. Rapid spread of emerging Zika virus in the Pacific area. Clin Microbiol Infect [Internet]. 2014 Oct [citado 2019 May 8];20(10):O595-6. Disponível em: Disponível em: https://www.clinicalmicrobiologyandinfection.com/article/S1198-743X(14)65391-X/fulltext . doi: 10.1111/1469-0691.12707 [ Links ]

5. Roth A, Mercier A, Lepers C, Hoy D, Duituturaga S, Benyon E, et al. Concurrent outbreaks of dengue, chikungunya and Zika virus infections - an unprecedented epidemic wave of mosquito-borne viruses in the Pacific 2012 - 2014. Euro Surveill [Internet]. 2014 Oct [citado 2019 May 8];19(41):pii:20929. Disponível em: Disponível em: https://www.eurosurveillance.org/content/10.2807/1560-7917.ES2014.19.41.20929Links ]

6. Cao-Lormeau VM, Roche C, Teissier A, Robin E, Berry AL, Mallet HP, et al. Zika virus, French Polynesia, South Pacific, 2013. Emerg Infect Dis [Internet]. 2014 Jun [citado 2019 May 8];20(6):1085-6. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/20/6/14-0138_article . doi: 10.3201/eid2006.140138 [ Links ]

7. Martines RB, Bhatnagar J, Ramos AMO, Davi HOF, Iglezias AD, Kanamura CT, et al. Pathology of congenital Zika syndrome in Brazil: a case series. Lancet [Internet]. 2016 Aug [citado 2019 May 8];388(10047):898-904. Disponível em: Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(16)30883-2/fulltext . doi: 10.1016/S0140-6736(16)30883-2 [ Links ]

8. Costello A, Dua T, Duran P, Gülmezoglu M, Oladapo OT, Perea W, et al. Defining the syndrome associated with congenital Zika virus infection. Bull World Health Organ [Internet]. 2016 Jun [citado 2019 May 8];94(6):406-406A. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4890216/ . doi: 10.2471/BLT.16.176990 [ Links ]

9. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM no 1.813, de 11 de novembro de 2015. Declara Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) por alteração do padrão de ocorrência [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2015 nov 12; Seção 1:51. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt1813_11_11_2015.htmlLinks ]

10. Pan American Health Organization. World Health Organization. Epidemiological alert increase of microcephaly in the northeast of Brazil [Internet]. 2015 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: https://www.paho.org/hq/dmdocuments/2015/2015-nov-17-cha-microcephaly-epi-alert.pdfLinks ]

11. Ministério da Saúde (BR). Ministério da Saúde confirma relação entre vírus Zika e microcefalia [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2015 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/combate-ao-aedes/50399-ministerio-da-saude-confirma-relacao-entre-virus-zika-e-microcefaliaLinks ]

12. Pan American Health Organization. World Health Organization. Neurological syndrome, congenital malformations, and Zika virus infection. Implications for public health in the Americas [Internet]. 2015 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&task=doc_view&Itemid=270&gid=32405&lang=enLinks ]

13. World Health Organization. WHO Director-General summarizes the outcome of the Emergency Committee regarding clusters of microcephaly and Guillain-Barré syndrome [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2016 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2016/emergency-committee-zika-microcephaly/en/Links ]

14. World Health Organization. WHO statement on the first meeting of the International Health Regulations (2005) (IHR (2005)) Emergency Committee on Zika virus and observed increase in neurological disorders and neonatal malformations [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2016 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2016/1st-emergency-committee-zika/en/Links ]

15. Oehler E, Watrin L, Larre-Goffart P, Lastère S, Valour F, Baudouin L, et al. Zika virus infection complicated by Guillain-Barré syndrome - case report, French Polynesia, December 2013. Euro Surveill [Internet]. 2014 Mar[citado 2019 May 8];19(9):pii:20720. Disponível em: Disponível em: https://www.eurosurveillance.org/content/10.2807/1560-7917.ES2014.19.9.20720Links ]

16. Cao-lormeau VM, Blake A, Mons S, Lastere S, Roche C, Vanhomwegen J, et al. Guillain-Barré Syndrome outbreak caused by ZIKA virus infection in French Polynesia. Lancet [Internet]. 2016 Apr [citado 2019 May 8];387(10027):1531-9. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5444521/ . doi: 10.1016/S0140-6736(16)00562-6 [ Links ]

17. Araújo TVB, Rodrigues LC, Ximenes RAA, Miranda Filho DB, Montarroyos UR, Melo APL, et al. Association between Zika virus infection and microcephaly in Brazil, January to May, 2016: preliminary report of a case-control study. Lancet Infect Dis [Internet]. 2016 Dec [citado 2019 May 8];16(12):1356-63. Disponível em: Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/laninf/article/PIIS1473-3099(16)30318-8/fulltext . doi: 10.1016/S1473-3099(16)30318-8 [ Links ]

18. Krauer F, Riesen M, Reveiz L, Oladapo OT, Porgo TV, Haefliger A, et al. Zika Virus infection as a cause of congenital brain abnormalities and Guillain - Barre Syndrome: systematic review. PLoS Med [Internet]. 2017 Jan [citado 2019 May 8];14(1):e1002203. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosmedicine/article?id=10.1371/journal.pmed.1002203 . doi: 10.1371/journal.pmed.1002203 [ Links ]

19. Rasmussen SA, Jamieson DJ, Honein MA, Petersen LR. Zika Virus and Birth defects - reviewing the evidence for causality. N Engl J Med [Internet]. 2016 May [citado 2019 May 8];374(20):1981-7. Disponível em: Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMsr1604338 . doi: 10.1056/NEJMsr1604338 [ Links ]

20. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe epidemiológico no 57 - semana epidemiológica (SE) 52/2016 (25 a 31/12/2016) - monitoramento dos casos de microcefalia no Brasil [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017 [citado 2019 maio 8]. Disponível em: Disponível em: http://combateaedes.saude.gov.br/images/pdf/Informe-Epidemiologico-n57-SE-52_2016-09jan2017.pdfLinks ]

21. Pan American Health Organization. World Health Organization. Zika suspected and confirmed cases reported by countries and territories in the Americas Cumulative cases, 2015-2017. Updated as of 04 January 2018 [Internet]. Washington, D.C.: Pan American Health Organization; 2017 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: https://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&view=download&alias=43296-zika-cumulative-cases-4-january-2018-296&category_slug=cumulative-cases-pdf-8865&Itemid=270&lang=enLinks ]

22. Dick GW, Kitchen SF, Haddow AJ. Zika virus (I) isolations and serological specificity. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1952 Sep [citado 2019 May 8];46(5):509-20. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12995440Links ]

23. Dick GW. Zika virus (II). Pathogenicity and physical properties. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1952 Sep [citado 2019 May 8];46(5):521-34. Disponível em: Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0035920352900436 . doi: 10.1016/0035-9203(52)90043-6 [ Links ]

24. Dick GW. Epidemiological notes on some viruses isolated in Uganda (Yellow fever, Rift Valley fever, Bwamba fever, West Nile, Mengo, Semliki forest, Bunyamwera, Ntaya, Uganda S and Zika viruses). Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1953 Jan [citado 2019 May 8];47(1)13-48. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/trstmh/article/47/1/13/1901421 . doi: 10.1016/0035-9203(53)90021-2 [ Links ]

25. Macnamara FN, Horn DW, Porterfield JS. Yellow fever and other arthropod-borne viruses. A consideration of two serological surveys made in South Western Nigeria. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1959 Mar [citado 2019 May 8];53(2):202-12. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/13647627Links ]

26. Smithburn KC. Neutralizing antibodies against certain recently isolated viruses in the sera of human beings residing in East Africa. J Immunol [Internet]. 1952 Aug [citado 2019 May 8];69(2):223-34. Disponível em: Disponível em: http://www.jimmunol.org/content/69/2/223.longLinks ]

27. Smithburn KC. Neutralizing antibodies against arthropod-borne viruses in the sera of long-time residents of Malaya and borneo. Am J Hyg. 1954 Mar;59(2):157-63. [ Links ]

28. MacNamara FN. Zika virus: a report on three cases of human infection during an epidemic of jaundice in Nigeria. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1954 Mar [citado 2019 May 8];48(2):139-45. Disponível em: Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0035920354900061 . doi: 10.1016/0035-9203(54)90006-1 [ Links ]

29. Weinbren MP, Williaams MC. Zika virus: further isolations in the zka area, and some studies on the strains isolated. Trans R Soc Trop Med Hyg. 1958 May;52(3):263-8. [ Links ]

30. Kokernot RH, Smithburn KC, Gandara AF, Mcintosh BM, Heymann CS. Neutralization tests with sera from individuals residing in Mozambique against specific viruses isolated in Africa, transmitted by arthropods. An Inst Med Trop (Lisb). 1960 Jan-Jun;17:201-30. [ Links ]

31. Pellissier A. Serological investigation on the incidence of neurotropic viruses in French Equatorial Africa. Bull Soc Pathol Exot Fil. 1954;47(2):223-27. [ Links ]

32. Smithburn KC, Kerr, JA,Gatne PB. Neutralizing antibodies against certain viruses in the sera of residents of India. J Immunol. 1954 Apr;72(4):248-57. [ Links ]

33. Pond WL. Arthropod-borne virus antibodies in sera from residents of South-East Asia. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1963 Sep [citado 2019 May 8];57(5):364-71. Disponível em: Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0035920363901007 . doi: 10.1016/0035-9203(63)90100-7 [ Links ]

34. Hammon WM, Schrack Jr WD, Sather GE. Serological survey for arthropod-borne virus infections in the Philippines. Am J Trop Med Hyg [Internet]. 1958 May [citado 2019 May 8];7(3):323-8. Disponível em: Disponível em: http://www.ajtmh.org/content/journals/10.4269/ajtmh.1958.7.323 . doi: 10.4269/ajtmh.1958.7.323 [ Links ]

35. Regan RL, Brueckner AL. Comparison by electron microscopy of the Ntaya and Zika viruses. Tex Rep Biol Med. 1953;11(2):347-51. [ Links ]

36. Boorman JPT, Porterfield JS. A simple technique for infection of mosquitoes with viruses transmission of Zika virus. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1956 Mar [citado 2019 May 8];50(3):238-42. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/trstmh/article-abstract/50/3/238/1899150?redirectedFrom=fulltext . doi: 10.1016/0035-9203(56)90029-3 [ Links ]

37. Haddow AD, Schuh AJ, Yasuda CY, Kasper MR, Heang V, Guzman H, et al. Genetic characterization of Zika Virus strains: geographic expansion of the Asian lineage. PLoS Negl Trop Dis [Internet]. 2012 [citado 2019 May 8];6(2):e1477. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0001477 . doi: 10.1371/journal.pntd.0001477 [ Links ]

38. Marchette NJ, Garcia R, Rudnick A. Isolation of Zika virus from Aedes aegypti mosquitoes in Malaysia. Am J Trop Med Hyg [Internet]. 1969 May [citado 2019 May 8];18(3):411-5. Disponível em: Disponível em: http://www.ajtmh.org/content/journals/10.4269/ajtmh.1969.18.411 . doi: 10.4269/ajtmh.1969.18.411 [ Links ]

39. Henderson BE, Metselaar D, Cahill K, Timms GL, Tukei PM, Williams MC. Yellow fever immunity surveys in northern Uganda and Kenya and Eastern Somalia, 1966-67. Bull World Heal Organ [Internet]. 1968 [citado 2019 May 8];38(2):229-37. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2554316/Links ]

40. Brès P. Données récentes apportées par les enquêtes sérologiques sur la prévalence des arbovirus en Afrique, avec référence spéciale à la fièvre jaune. Bull World Heal Organ [Internet]. 1970 [citado 2019 May 8];43(2):223-67. Availble from: Availble from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2427644/Links ]

41. Kokernot RH, Casaca VM, Weinbren MP, McIntosh BM. Survey for antibodies against arthropod-borne viruses in the sera of indigenous residents of Angola. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1965 Sep [citado 2019 May 8];59(5):563-70. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/trstmh/article-abstract/59/5/563/1913859?redirectedFrom=fulltext . doi: 10.1016/0035-9203(65)90159-8 [ Links ]

42. Chippaux-Hyppolite C. Immunologic investigation on the frequency of arbovirus in man in the Central African Republic. Preliminary note. Bull Soc Pathol Exot Filiales. 1965 Sep-Oct;58(5):812-20. [ Links ]

43. Salaun JJ, Brottes H. Arboviruses in Cameroun: serologic investigation. Bull World Health Organ [Internet]. 1967 [Internet];37(3):343-61. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2554275/Links ]

44. Bres P, Lacan A, Diop I, Michel R, Peretti P, Vidal C. Arborviruses in Senegal: serological survey. Bull Soc Pathol Exot Fil. 1963 May-Jun;56:384-402. [ Links ]

45. Pinto MR. Survey for antibodies to arboviruses in the sera of children in Portuguese Guinea. Bull World Health Organ [Internet]. 1967 [citado 2019 May 8];37(1):101-8. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2554218/Links ]

46. Renaudet J, Jan C, Ridet J, Adam C, Robin Y. A serological survey of arboviruses in the human population of Senegal. Bull Soc Pathol Exot Filiales. 1978 Mar-Apr;71(2):131-40. [ Links ]

47. Monlun E, Zeller H, Le Guenno B, Traoré-Lamizana M, Hervy JP, Adam F, et al. Surveillance of the circulation of arbovirus of medical interest in the region of eastern Senegal. Bull Soc Pathol Exot. 1993;86(1):21-8. [ Links ]

48. Akoua-Koffi C, Diarrassouba S, Bénié VB, Ngbichi JM, Bozoua T, Bosson A, et al. Investigation autour d’un cas mortel de fièvre jaune en Côte d’Ivoire en 1999. Bull Soc Pathol Exot [Internet]. 2001 Aug [citado 2019 May 8];94(3):227-30. Disponível em: Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/39846303.pdfLinks ]

49. Sérié C, Casals J, Panthier R, Brès P, Williams MC. Studies on yellow fever in Ethiopia. 2. Serological study of the human population. Bull World Health Organ [Internet]. 1968 [citado 2019 May 8];38(6):843-54. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2554526/Links ]

50. Geser A, Henderson BE, Christensen S. A multipurpose serological survey in Kenya. Bull World Health Organ [Internet]. 1970 [citado 2019 May 8];43(4):539-52. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2427766/Links ]

51. McCrae AW, Kirya BG. Yellow fever and Zika virus epizootics and enzootics in Uganda. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1982 [citado 2019 May 8];76(4):552-62. Disponível em: Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0035920382901614 . doi: 10.1016/0035-9203(82)90161-4 [ Links ]

52. Haddow AJ, Williams MC, Woodall JP, Simpson DI, Goma LK. Twelve isolations of zika virus from aedes (stegomyia) africanus (theobald) taken in and above a uganda forest. Bull World Health Organ [Internet]. 1964 [citado 2019 May 8];31:57-69. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2555143/Links ]

53. Fagbami AH. Zika virus infections in Nigeria: virological and seroepidemiological investigations in Oyo State. J Hyg (Lond) [Internet]. 1979 Oct [citado 2019 May 8];83(2):213-9. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2129900/Links ]

54. Foy BD, Kobylinski KC, Foy JLC, Blitvich BJ, Travassos da Rosa A, Haddow AD, et al. Probable non-vector-borne transmission of Zika virus, Colorado, USA. Emerg Infect Dis [Internet]. 2011 May [citado 2019 May 8];17(5):880-2. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3321795/ . doi: 10.3201/eid1705.101939 [ Links ]

55. Musso D, Roche C, Robin E, Nhan T, Teissier A, Cao-Lormeau VM. Potential sexual transmission of Zika virus. Emerg Infect Dis [Internet]. 2015 Feb [citado 2019 May 8];21(2):359-61. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4313657/ . doi: 10.3201/eid2102.141363 [ Links ]

56. Frank C, Cadar D, Schlaphof A, Neddersen N, Günther S, Tappe D, et al. Sexual transmission of Zika virus in Germany, April 2016. Euro Surveill [Internet]. 2016 Jun [citado 2019 May 8];21(23). Disponível em: Disponível em: https://www.eurosurveillance.org/content/10.2807/1560-7917.ES.2016.21.23.30252 . doi: 10.2807/1560-7917.ES.2016.21.23.30252 [ Links ]

57. Driggers RW, Ho C-Y, Korhonen EM, Kuivanen S, Jääskeläinen AJ, Smura T, et al. Zika virus infection with prolonged maternal viremia and fetal brain abnormalities. N Engl J Med [Internet]. 2016 Jun [citado 2019 May 8];374(22):2142-51. Disponível em: Disponível em: https://www.nejm.org/doi/10.1056/NEJMoa1601824?url_ver=Z39.88-2003&rfr_id=ori:rid:crossref.org&rfr_dat=cr_pub%3dwww.ncbi.nlm.nih.gov . doi: 10.1056/NEJMoa1601824 [ Links ]

58. Brasil P, Pereira JP, Moreira ME, Nogueira RMR, Damasceno L, Wakimoto M, et al. Zika virus infection in pregnant women in Rio de Janeiro. N Engl J Med [Internet]. 2016 Dec [citado 2019 May 8];375(24):2321-4. Disponível em: Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1602412 . doi: 10.1056/NEJMoa1602412 [ Links ]

59. Aubry M, Finke J, Teissier A, Roche C, Broult J, Paulous S, et al. Seroprevalence of arboviruses among blood donors in French Polynesia, 2011-2013. Int J Infect Dis[Internet]. 2015 Dec [citado 2019 May 8];41:11-2. Disponível em: Disponível em: https://www.ijidonline.com/article/S1201-9712(15)00239-8/fulltext . doi: 10.1016/j.ijid.2015.10.005 [ Links ]

60. Pettersson JHO, Bohlin J, Dupont-Rouzeyrol M, Brynildsrud OB, Alfsnes K, Cao-Lormeau VM, et al. Re-visiting the evolution, dispersal and epidemiology of Zika virus in Asia article. Emerg Microbes Infect [Internet]. 2018 May [citado 2019 May 8];7(1):79. Disponível em: Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1038/s41426-018-0082-5 . doi: 10.1038/s41426-018-0082-5 [ Links ]

61. Sun J, Fu T, Mao H, Wang Z, Pan J, Rutherford S, et al. A cluster of Zika virus infection in a Chinese tour group returning from Fiji and Samoa. Sci Rep [Internet]. 2017 Mar [citado 2019 May 8];7:43527. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5361211/ . doi: 10.1038/srep43527 [ Links ]

62. Tognarelli J, Ulloa S, Villagra E, Lagos J, Aguayo C, Fasce R, et al. A report on the outbreak of Zika virus on Easter Island, South Pacific, 2014. Arch Virol [Internet]. 2016 Mar [citado 2019 May 8];161(3):665-8. Disponível em: Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00705-015-2695-5 . doi: 10.1007/s00705-015-2695-5 [ Links ]

63. Pyke AT, Daly MT, Cameron JN, Moore PR, Taylor CT, Humphreys JL, et al. Imported Zika virus infection from the cook islands into Australia, 2014. PLoS Curr [Internet]. 2014 Jun [citado 2019 May 8]; 2014; 6:pii. Disponível em: Disponível em: http://currents.plos.org/outbreaks/index.html%3Fp=38348.htmlLinks ]

64. Dupont-Rouzeyrol M, O'Connor O, Calvez E, Daures M, John M, Grangeon J, et al. Co-infection with Zika and dengue viruses in 2 patients, New Caledonia, 2014. Emerg Infect Dis [Internet]. 2015 Feb [citado 2019 May 8];21(2):381-2. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/21/2/14-1553_article . doi: 10.3201/eid2102.141553 [ Links ]

65. Heang V, Yasuda CY, Sovann L, Haddow AD, Travassos da Rosa AP, Tesh RB, et al. Zika virus infection, Cambodia, 2010. Emerg Infect Dis [Internet]. 2012 Feb [citado 2019 May 8];18(2):349-51. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3310457/ . doi: 10.3201/eid1802.111224 [ Links ]

66. Kwong JC, Druce JD, Leder K. Case report : Zika virus infection acquired during brief travel to Indonesia. Am J Trop Med Hyg [Internet]. 2013 Sep [citado 2019 May 8];89(3):516-7. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3771291/ . doi: 10.4269/ajtmh.13-0029 [ Links ]

67. Perkasa A, Yudhaputri F, Haryanto S, Yohan B, Myint KS, Ledermann JP, et al. Isolation of Zika virus from febrile patient, Indonesia fatal. Emerg Infect Dis [Internet]. 2016 May [citado 2019 May 8];22(5):924-5. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/22/5/15-1915_article . doi: 10.3201/eid2205.151915 [ Links ]

68. Tappe D, Nachtigall S, Kapaun A, Schnitzler P, Günther S, Schmidt-Chanasit J. Acute Zika virus infection after travel to Malaysian Borneo, September 2014. Emerg Infect Dis [Internet]. 2015 May [citado 2019 May 8];21(5):911-3. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/21/5/14-1960_article . doi: 10.3201/eid2105.141960 [ Links ]

69. Alera MT, Hermann L, Tac-An IA, Klungthong C, Villa D, Thaisomboonsuk B, et al. Zika virus infection, Philippines, 2012. Emerg Infect Dis [Internet]. 2015 Apr [citado 2019 May 8];21(4):722-4. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4378478/ . doi: 10.3201/eid2104.141707 [ Links ]

70. Korhonen EM, Huhtamo E, Smura T, Kallio-Kokko H, Raassina M, Vapalahti O. Zika virus infection in a traveller returning from the Maldives, June 2015. Euro Surveill [Internet]. 2016 [citado 2019 May 8];21(2). Disponível em: Disponível em: https://www.eurosurveillance.org/content/10.2807/1560-7917.ES.2016.21.2.30107 . doi: 10.2807/1560-7917.ES.2016.21.2.30107 [ Links ]

71. Buathong R, Hermann L, Thaisomboonsuk B, Rutvisuttinunt W, Klungthong C, Chinnawirotpisan P, et al. Detection of Zika virus infection in Thailand , 2012-2014. Am J Trop Med Hyg [Internet]. 2015 Aug [citado 2019 May 8];93(2):380-3. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4530765/ . doi: 10.4269/ajtmh.15-0022 [ Links ]

72. Tappe D, Rissland J, Gabriel M, Emmerich P, Günther S, Held G, et al. First case of laboratory-con fi rmed Zika virus infection imported into Europe, November 2013. Euro Surveill [Internet]. 2014 Jan [citado 2019 May 8];19(4):pii: 20685. Disponível em: Disponível em: https://www.eurosurveillance.org/content/10.2807/1560-7917.ES2014.19.4.20685Links ]

73. Campos GS, Bandeira AC, Sardi SI. Zika virus outbreak, Bahia, Brazil. Emerg Infect Dis [Internet]. 2015 Oct [citado 2019 May 8];21(10):1885-6. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/21/10/15-0847_article . doi: 10.3201/eid2110.150847 [ Links ]

74. Zanluca C, Melo VC, Mosimann AL, Santos GI, Santos CN, Luz K. First report of autochthonous transmission of Zika virus in Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz [Internet]. 2015 Jun [citado 2019 May 8];110(4):569-72. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/mioc/v110n4/0074-0276-mioc-0074-02760150192.pdf . doi: 10.1590/0074-02760150192 [ Links ]

75. Fantinato FFST, Araújo ELL, Ribeiro IG, Andrade MR, Dantas ALM, Rios JMT, et al. Descrição dos primeiros casos de febre pelo vírus Zika investigados em municípios da região Nordeste do Brasil, 2015. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2016 out-dez [citado 2019 maio 8];25(4):683-90. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n4/2237-9622-ress-S1679_49742016000400002.pdf . doi: 10.5123/s1679-49742016000400002 [ Links ]

76. Felix AC, Souza NCS, Figueiredo WM, Costa AA, Inenami M, Silva RMG, et al. Cross reactivity of commercial anti-dengue immunoassays in patients with acute Zika virus infection. J Med Virol [Internet]. 2017 Aug [citado 2019 May 8];89(8)1477-9. Disponível em: Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/jmv.24789 . doi: 10.1002/jmv.24789 [ Links ]

77. Bozza FA, Moreira-Soto A, Rockstroh A, Fischer C, Nascimento AD, Calheiros AS, et al. Differential shedding and antibody kinetics of Zika and Chikungunya viruses, Brazil. Emerg Infect Dis [Internet]. 2019 Feb [citado 2019 May 8];25(2):311-5. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/25/2/18-0166_articleLinks ]

78. Waggoner JJ, Pinsky A. Zika virus : diagnostics for an emerging pandemic threat. J Clin Microbiol [Internet]. 2016 Apr [citado 2019 May 8];54(4):860-7. Disponível em: Disponível em: https://jcm.asm.org/content/54/4/860.long . doi: 10.1128/JCM.00279-16 [ Links ]

79. Center for Disease Control and Prevention (EUA). Revised diagnostic testing for Zika, chikungunya, and dengue viruses in US Public Health Laboratories [Internet]. 2016 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: http://www.cdc.gov/zika/pdfs/denvchikvzikv-testing-algorithm.pdfLinks ]

80. Yun S, Song B, Frank JC, Julander JG, Polejaeva IA, Davies CJ, et al. Complete genome sequences of three historically important, spatiotemporally distinct, and genetically divergent strains of Zika virus: MR-766, P6-740, and PRVABC-59. Genome Announc [Internet]. 2016 Jul-Aug [citado 2019 May 8];4(4):e00800-16. Disponível em: Disponível em: https://mra.asm.org/content/4/4/e00800-16 . doi: 10.1128/genomeA.00800-16 [ Links ]

81. Faria NR, Azevedo RDSDS, Kraemer MUG, Souza R, Cunha MS, Hill SC, et al. Zika virus in the Americas: early epidemiological and genetic findings. Science [Internet]. 2016 Apr [citado 2019 May 8];375(6283):345-9. Disponível em: Disponível em: https://science.sciencemag.org/content/352/6283/345.long. doi: 10.1126/science.aaf5036 [ Links ]

82. Metsky H, Matranga C, Wohl S, Schaffner S, Freije C, Winnicki S, et al. Zika virus evolution and spread in the Americas. Nature [Internet]. 2017 Jun [citado 2019 May 8];546(7658):411-5. Disponível em: Disponível em: https://www.nature.com/articles/nature22402Links ]

83. Naccache SN, Thézé J, Sardi SI, Somasekar S, Greninger AL, Bandeira AC, et al. Distinct zika virus lineage in Salvador, Bahia, Brazil. Emerg Infect Dis [Internet]. 2016 Oct [citado 2019 May 8];22(10):1788-92. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/22/10/16-0663_articleLinks ]

84. Musso D, Cao-Lormeau VM, Gubler DJ. Zika virus: following the path of dengue and chikungunya? Lancet [Internet]. 2015 Jul [citado 2019 May 8]; 386(9990):243-4. Disponível em: Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(15)61273-9/fulltext . doi: 10.1016/S0140-6736(15)61273-9 [ Links ]

85. Campos TDL, Durães-carvalho R, Rezende AM, Carvalho OV, Kohl A, Wallau GL, et al. Revisiting key entry routes of human epidemic arboviruses into the Mainland Americas. Int J Genomics [Internet]. 2018 Oct [citado 2019 May 8]; 2018:1-9. Disponível em: Disponível em: https://www.hindawi.com/journals/ijg/2018/6941735/cta/Links ]

86. Thézé J, Li T, Plessis L, Bouquet J, Kraemer MUG, Somasekar S, et al. Genomic epidemiology reconstructs the introduction and spread of Zika virus in Central America and Mexico. Cell Host Microbe [Internet]. 2018 Jun [citado 2019 May 8];23(6):855-64.e7. Disponível em: Disponível em: https://www.cell.com/cell-host-microbe/fulltext/S1931-3128(18)30218-X?_returnURL=https%3A%2F%2Flinkinghub.elsevier.com%2Fretrieve%2Fpii%2FS193131281830218X%3Fshowall%3Dtrue . doi: 10.1016/j.chom.2018.04.017 [ Links ]

87. Pan American Health Organization. World Health Organization. Zika epidemiological update: 22 September 2016 [Internet]. Washington, D.C.: Pan American Health Organization; 2016 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: https://www.paho.org/hq/dmdocuments/2016/2016-sep-22-cha-epi-update-zika-virus.pdfLinks ]

88. Pan American Health Organization. World Health Organization. Zika epidemiological update: 29 December 2016 [Internet]. Washington, D.C.: Pan American Health Organization; 2016 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: https://www.paho.org/hq/dmdocuments/2016/2016-dec-29-phe-epi-update-zika-virus.pdfLinks ]

89. Ikejezie J, Shapiro CN, Kim J, Chiu M, Almiron M, Ugarte C, et al. Zika virus transmission - region of the Americas. MMWR Morb Mortal Wkly Rep [Internet]. 2017 Mar [citado 2019 Mar 8];66(12):329-34. Disponível em: Disponível em: https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/66/wr/mm6612a4.htmLinks ]

90. World Health Organization. Fifth meeting of the Emergency Committee under the International Health Regulations (2005) regarding microcephaly, other neurological disorders and Zika virus [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2016 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2016/zika-fifth-ec/en/Links ]

91. Ministério da Saúde (BR). Ministério da Saúde declara fim da emergência nacional para Zika [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017 [citado 2019 maio 8]. Disponível em: Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2017/05/ministerio-da-saude-declara-fim-da-emergencia-nacional-para-zikaLinks ]

92. Nóbrega MEB, Araújo ELL, Wada MY, Leite PL, Percio J, Dimech GS. Surto de síndrome de Guillain-Barré possivelmente relacionado à infecção prévia pelo vírus Zika, Região Metropolitana do Recife, Pernambuco, Brasil, 2015. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2018 [citado 2019 maio 8];27(2):e2017039.Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v27n2/2237-9622-ress-27-02-e2017039.pdf . doi: 10.5123/s1679-49742018000200016 [ Links ]

93. Malta JM, Vargas A, Leite PL, Percio J, Coelho GE, Ferraro AH, et al. Síndrome de Guillain-Barré e outras manifestações neurológicas possivelmente relacionadas à infecção pelo vírus Zika em municípios da Bahia, 2015. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2017 jan-mar [citado 2019 maio 8];26(1):9-18. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v26n1/2237-9622-ress-26-01-00009.pdf . doi: 10.5123/s1679-49742017000100002 [ Links ]

94. Nogueira ML, Estofolete CF, Terzian ACB, Mascarin do Vale EPB, Silva RC, Silva RF, et al. Zika virus infection and solid organ transplantation: a new challenge. Am J Transplant [Internet]. 2017 Mar [citado 2019 May 8];17(3)791-5. Disponível em: Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/ajt.14047 . doi: 10.1111/ajt.14047 [ Links ]

95. Vargas A, Saad E, Dimech GS, Santos RH, Sivini MAVC, Albuquerque LC, et al. Características dos primeiros casos de microcefalia possivelmente relacionados ao vírus Zika notificados na região metropolitana de Recife, Pernambuco. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2016 out-dez [citado 2019 maio 8];25(4):691-700. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n4/2237-9622-ress-S1679_49742016000400003.pdf . doi: 10.5123/s1679-49742016000400003 [ Links ]

96. Pan American Health Organization. World Health Organization. Zika suspected and confirmed cases reported by countries and territories in the Americas Cumulative cases, 2015-2016. Updated as of 29 December 2016 [Internet]. Washington, D.C.: Pan American Health Organization; 2016 [citado 2019 May 8]. Disponível em: Disponível em: https://www.paho.org/hq/dmdocuments/2016/2016-dec-29-phe-ZIKV-cases.pdfLinks ]

97. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento integrado de alterações no crescimento e desenvolvimento relacionadas à infecção pelo vírus Zika e outras etiologias infecciosas, até a Semana 52 de 2017. Bol Epidemiol [Internet]. 2018 [citado 2019 maio 8];49(6):1-10. Disponível em: Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/fevereiro/20/2018-003-Final.pdfLinks ]

98. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento integrado de alterações no crescimento e desenvolvimento relacionadas à infecção pelo vírus Zika e outras etiologias infecciosas, até a Semana Epidemiológica 20 de 2018. Bol Epidemiol [Internet]. 2018 [citado 2019 maio 8];49(6). Disponível em: Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/junho/29/Monitoramento-integrado-de-alteracoes-no-crescimento-e-desenvolvimento-relacionadas-a-infeccao-pelo-virus-Zika.pdfLinks ]

99. Rodrigues LC, Paixao ES. Risk of Zika-related microcephaly: stable or variable? Lancet [Internet]. 2017 Aug [citado 2019 May 8]; 390(10097):824-6. Disponível em: Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(17)31478-2/fulltext . doi: 10.1016/S0140-6736(17)31478-2 [ Links ]

100. Oliveira WK, França GVA, Carmo EH, Duncan BB, Souza Kuchenbecker R, Schmidt MI. Infection-related microcephaly after the 2015 and 2016 Zika virus outbreaks in Brazil: a surveillance-based analysis. Lancet [Internet]. 2017 Aug [citado 2019 May 8];390(10097):861-70. Disponível em: Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(17)31368-5/fulltext . doi: 10.1016/S0140-6736(17)31368-5 [ Links ]

101. Wang L, Valderramos SG, Wu A, Ouyang S, Li C, Brasil P, et al. From mosquitos to humans: genetic evolution of Zika virus. Cell Host Microbe [Internet]. 2016 May [citado 2019 May 8];19(5):561-5. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5648540/ . doi: 10.1016/j.chom.2016.04.006 [ Links ]

102. Sheridan MA, Balaraman V, Schust DJ, Ezashi T, Michael Roberts R, Franz AWE. African and Asian strains of Zika virus differ in their ability to infect and lyse primitive human placental trophoblast. PLoS One [Internet]. 2018 [citado 2019 May 8];13(7):e0200086. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6037361/ . doi: 10.1371/journal.pone.0200086 [ Links ]

103. Caires-Júnior LC, Goulart E, Melo US, Araujo BHS, Alvizi L, Soares-Schanoski A, et al. Discordant congenital Zika syndrome twins show differential in vitro viral susceptibility of neural progenitor cells. Nat Commun [Internet]. 2018 Feb [citado 2019 May 8];Dec;9(1):475. Disponível em: Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41467-017-02790-9 . doi: 10.1038/s41467-017-02790-9 [ Links ]

104. Pettersson JH, Eldholm V, Seligman SJ, Lundkvist A, Falconar AK, Gaunt MW, et al. How did Zika virus emerge in the Pacific Islands and Latin America? MBio [Internet]. 2016 Oct [citado 2019 May 8];7(5):pii:e01239-16. Disponível em: Disponível em: https://mbio.asm.org/content/7/5/e01239-16 . doi: 10.1128/mBio.01239-16 [ Links ]

105. Yuan L, Huang XY, Liu ZY, Zhang F, Zhu XL, Yu JY, et al. A single mutation in the prM protein of Zika virus contributes to fetal microcephaly. Science [Internet]. 2017 Nov [citado 2019 May 8];358(6365):933-6. Disponível em: Disponível em: https://science.sciencemag.org/content/358/6365/933 . doi: 10.1126/science.aam7120 [ Links ]

106. Li J, Xiong Y, Wu W, Liu X, Qu J, Zhao X, et al. Zika virus in a traveler returning to China from Caracas, Venezuela, February 2016. Emerg Infect Dis [Internet]. 2016 Jun [citado 2019 May 8];22(6):1133-6. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/22/6/16-0273_article . doi: 10.3201/eid2206.160273 [ Links ]

107. Xia H, Luo H, Shan C, Muruato AE, Nunes BTD, Medeiros DBA, et al. An evolutionary NS1 mutation enhances Zika virus evasion of host interferon induction. Nat Commun [Internet]. 2018 Jan [citado 2019 May 8];9(1):414. Disponível em: Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41467-017-02816-2Links ]

108. Lanciotti RS, Lambert AJ, Holodniy M, Saavedra S, Signor LC. Phylogeny of Zika virus in Western hemisphere, 2015. Emerg Infect Dis [Internet]. 2016 May [citado 2019 May 8];22(5):933-5. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/22/5/16-0065_article . doi: 10.3201/eid2205.160065 [ Links ]

109. Aubry F, Martynow D, Baidaliuk A, Merkling SH, Dickson LB, Romero-Vivas CM, et al. Worldwide survey reveals lower susceptibility of African Aedes aegypti mosquitoes to diverse strains of Zika virus. bioRxiv Prepr [Internet]. 2018 Jun [citado 2019 May 8];1-8. Disponível em: Disponível em: https://www.biorxiv.org/content/early/2018/06/10/342741.full.pdf . doi: 10.1101/342741 [ Links ]

110. Bardina SV, Bunduc P, Tripathi S, Duehr J, Frere JJ, Brown JA, et al. Enhancement of Zika virus pathogenesis by preexisting antiflavivirus immunity. Science [Internet]. 2017 Apr [citado 2019 May 8];356(6334):175-80. Disponível em: Disponível em: https://science.sciencemag.org/content/356/6334/175.long . doi: 10.1126/science.aal4365 [ Links ]

111. Gordon A, Gresh L, Ojeda S, Katzelnick LC, Sanchez N, Mercado JC, et al. Prior dengue virus infection and risk of Zika: a pediatric cohort in Nicaragua. PLoS Med [Internet]. 2019 Jan [citado 2019 May 8];16(1):e1002726. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosmedicine/article?id=10.1371/journal.pmed.1002726 . doi: 10.1371/journal.pmed.1002726 [ Links ]

112. Shresta S, Viramontes KM, Wang Y-T, Huynh A-T, Diamond MS, Elong Ngono A, et al. Cross-reactive Dengue virus-specific CD8+ T cells protect against Zika virus during pregnancy. Nat Commun [Internet]. 2018 Aug [citado 2019 May 8];9(1):3042. Disponível em: Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41467-018-05458-0 . doi: 10.1038/s41467-018-05458-0 [ Links ]

113. Weger-Lucarelli J, Rückert C, Chotiwan N, Nguyen C, Garcia Luna SM, Fauver JR, et al. Vector competence of American mosquitoes for three strains of Zika virus. PLoS Negl Trop Dis [Internet]. 2016 Oct [citado 2019 May 8];10(10):e0005101. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0005101 . doi: 10.1371/journal.pntd.0005101 [ Links ]

114. Ciota AT, Bialosuknia SM, Zink SD, Brecher M, Ehrbar DJ, Morrissette MN, et al. Effects of Zika virus strain and Aedes mosquito species on vector competence. Emerg Infect Dis [Internet]. 2017 Jul [citado 2019 May 8];23(7):1110-7. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/23/7/16-1633_article . doi: 10.3201/eid2307.161633 [ Links ]

115. Azar SR, Roundy CM, Rossi SL, Huang JH, Leal G, Yun R, et al. Differential vector competency of aedes albopictus populations from the Americas for Zika Virus. Am J Trop Med Hyg [Internet]. 2017 Aug [citado 2019 May 8];97(2):330-9. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5544086/ . doi: 10.4269/ajtmh.16-0969 [ Links ]

116. Angleró-Rodríguez YI, MacLeod HJ, Kang S, Carlson JS, Jupatanakul N, Dimopoulos G. Aedes aegypti molecular responses to Zika virus: modulation of infection by the toll and Jak/Stat immune pathways and virus host factors. Front Microbiol [Internet]. 2017 Oct [citado 2019 May 8];8:2050. Disponível em: Disponível em: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fmicb.2017.02050/full . doi: 10.3389/fmicb.2017.02050 [ Links ]

117. Di Luca M, Severini F, Toma L, Boccolini D, Romi R, Remoli ME, et al. Experimental studies of susceptibility of Italian Aedes albopictus to Zika virus. Euro Surveill [Internet]. 2016 May [citado 2019 May 8];21(18). Disponível em: Disponível em: https://www.eurosurveillance.org/content/10.2807/1560-7917.ES.2016.21.18.30223 . doi: 10.2807/1560-7917.ES.2016.21.18.30223 [ Links ]

118. Richard V, Paoaafaite T, Cao-Lormeau VM. Vector competence of French Polynesian aedes aegypti and aedes polynesiensis for Zika virus. PLoS Negl Trop Dis [Internet]. 2016 Sep [citado 2019 May 8];10(9):e0005024. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0005024 . doi: 10.1371/journal.pntd.0005024 [ Links ]

119. Hall-Mendelin S, Pyke AT, Moore PR, Mackay IM, McMahon JL, Ritchie SA, et al. Assessment of local mosquito species incriminates aedes aegypti as the potential vector of Zika virus in Australia. PLoS Negl Trop Dis [Internet]. 2016 Sep [citado 2019 May 8];10(9):e0004959. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5028067/ . doi: 10.1371/journal.pntd.0004959 [ Links ]

120. Chouin-Carneiro T, Vega-Rua A, Vazeille M, Yebakima A, Girod R, Goindin D, et al. Differential susceptibilities of aedes aegypti and aedes albopictus from the Americas to Zika virus. PLoS Negl Trop Dis [Internet]. 2016 Mar [citado 2019 May 8];10(3):e0004543. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0004543 . doi: 10.1371/journal.pntd.0004543 [ Links ]

121. Pompon J, Morales-Vargas R, Manuel M, Huat Tan C, Vial T, et al. A Zika virus from America is more efficiently transmitted than an Asian virus by aedes aegypti mosquitoes from Asia. Sci Rep [Internet]. 2017 Apr [citado 2019 May 8];7(1):1215. Disponível em: Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41598-017-01282-6 . doi: 10.1038/s41598-017-01282-6 [ Links ]

122. Campos MC, Dombrowski JG, Phelan J, Marinho CRF, Hibberd M, Clark TG, et al. Zika might not be acting alone: using an ecological study approach to investigate potential co-acting risk factors for an unusual pattern of microcephaly in Brazil. PLoS One [Internet]. 2018 Aug [citado 2019 May 8];13(8)e0201452. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0201452 . doi: 10.1371/journal.pone.0201452 [ Links ]

123. Martins Netto E, Moreira-Soto A, Pedroso C, Höser C, Funk S, Kucharski A, et al. High Zika virus Seroprevalence in Salvador, Northeastern Brazil limits the potential for further outbreaks. MBio [Internet]. 2017 Nov [citado 2019 May 8];8(6):pii:e01390-17. Disponível em: Disponível em: https://mbio.asm.org/content/8/6/e01390-17 . doi: 10.1128/mBio.01390-17 [ Links ]

124. Ferguson NM, Cucunubá ZM, Dorigatti I, Nedjati-gilani GL, Donnelly CA, Basáñez MG, et al. Countering the Zika epidemic in Latin America. Science [Internet]. 2016 Jul [citado 2019 May 8];353(6297):353-4. Disponível em: Disponível em: http://science.sciencemag.org/content/353/6297/353/tab-pdf . doi: 10.1126/science.aag0219 [ Links ]

125. Chippaux HC, Chippaux A. Yellow fever antibodies in children in the Central African Republic. Bull World Health Organ [Internet]. 1966 [citado 2019 May 8];34(1):105-11. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2475960/Links ]

126. Robin Y, Brès P, Lartigue JJ, Gidel R, Lefèvre M, Athawet B, Hery G. Arboviruses in Ivory Coast. Serologic survey in the human population. Bull Soc Pathol Exot Fil. 1968 Nov-Dec;61(6):833-45. [ Links ]

127. Henderson BE, Metselaar D, Kirya GB, Timms GL. Investigations into yellow fever virus and other arboviruses in the northern regions of Kenya. Bull World Health Organ [Internet]. 1970 [citado 2019 May 8];42(5):787-95. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2427481/Links ]

128. Fagbami AH, Fabiyi A, Monath TP. Dengue virus infections in nigeria: a survey for antibodies in monkeys and humans. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1977 [citado 2019 May 8];71(1):60-5. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/trstmh/article-abstract/71/1/60/1934880?redirectedFrom=fulltext. doi: 10.1016/0035-9203(77)90210-3Links ]

129. Olson JG, Ksiazek TG, Suhandiman T. Zika virus, a cause of fever in Central Java, Indonesia. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1981 Jan [citado 2019 May 8];75(3):389-93. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/trstmh/article-abstract/75/3/389/1881699?redirectedFrom=fulltext . doi: 10.1016/0035-9203(81)90100-0 [ Links ]

130. Olson JG, Ksiazenk TG, Gubler DJ, Lubist SI, Simanjuntak G, Lee VH, et al. A survey for arboviral antibodies in sera of humans and animals in lombok, Republic of Indonesia. Ann Trop Med Parasitol. 1983 Apr;77(2):131-7. [ Links ]

131. Darwish MA, Hoogstraal H, Roberts TJ, Ahmed IP, Omar F. A sero-epidemiological survey for certain in Pakistan arboviruses ( Togaviridae ). Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1983 [citado 2019 May 8];77(4):442-5. Disponível em: Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0035920383901062 . doi: 10.1016/0035-9203(83)90106-2 [ Links ]

132. Robin Y, Mouchet J. Serological and entomological study on yellow fever in Sierra Leone. Bull Soc Pathol Exot Filiales. 1975 May-Jun;68(3):249-58. [ Links ]

133. Monath TP, Wilson DC, Casals J. The 1970 yellow fever epidemic in Okwoga District, Benue Plateau State, Nigeria. 3. Serological responses in persons with and without pre-existing heterologous group B immunity. Bull World Health Organ [Internet]. 1973 [citado 2019 May 8];49(3):235-44. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2481145/Links ]

134. Moore DL, Causey OR, Carey DE, Reddy S, Cooke AR, Akinkugbe FM, et al. Arthropod-borne viral infections of man in nigeria, 1964-1970. Ann Trop Med Parasitol. 1975 Mar;69(1):49-64. [ Links ]

135. Filipe AR, Carvalho RG, Relvas A, Casaca V. Arbovirus studies in Angola: serological survey for antibodies to arboviruses. Am J Trop Med Hyg [Internet]. 1975 May [citado 2019 May 8];24(3):516-20. Disponível em: Disponível em: http://www.ajtmh.org/content/journals/10.4269/ajtmh.1975.24.516 . doi: 10.4269/ajtmh.1975.24.516 [ Links ]

136. Omer AH, McLaren ML, Johnson BK, Chanas AC, Brumpt I, Gardner P, et al. A seroepidemiological survey in the Gezira, Sudan, with special reference to arboviruses. J Trop Med Hyg. 1981 Apr;84(2):63-6. [ Links ]

137. Gonzalez JP, Saluzzo JF, Hervé JP, Geoffroy B. Serological survey on the prevalence of arboviruses in man in forest and periforest environments of the region of Lobaye (Central African Republic). Bull Soc Pathol Exot Filiales. 1979 Sep-Dec;72(5-6):416-23. [ Links ]

138. Adekolu-John EO, Fagbami AH. Arthropod-borne virus antibodies in sera of residents of Kainji Lake Basin, Nigeria 1980. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1983 Jan [citado 2019 May 8];77(2):149-51. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/trstmh/article-abstract/77/2/149/1915725?redirectedFrom=fulltext . doi: 10.1016/0035-9203(83)90053-6 [ Links ]

139. Rodhain F, Gonzalez JP, Mercier E, Helynck B, Larouze B, Hannoun C. Arbovirus infections and viral haemorrhagic fevers in Uganda: a serological survey in Karamoja district, 1984. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1989 Nov-Dec [citado 2019 May 8];83(6):851-4. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/trstmh/article-abstract/83/6/851/1906966?redirectedFrom=fulltext . doi: 10.1016/0035-9203(89)90352-0 [ Links ]

140. Rodier GR, Gubler DJ, Cope SE, Cropp CB, Soliman AK, Polycarpe D, et al. Epidemic dengue 2 in the city of Djibouti 1991-1992. Trans R Soc Trop Med Hyg [Internet]. 1996 May-Jun [citado 2019 May 8];90(3):237-40. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/trstmh/article-abstract/90/3/237/1902958?redirectedFrom=fulltext . doi: 10.1016/S0035-9203(96)90228-X [ Links ]

141. Wolfe ND, Kilbourn AM, Karesh WB, Rahman HA, Bosi EJ, Cropp BC, et al. Sylvatic transmission of arboviruses among bornean orangutans. Am J Trop Med Hyg [Internet]. 2001 May-Jun [citado 2019 May 8];64(5-6):310-6. Disponível em: http://www.ajtmh.org/docserver/fulltext/14761645/64/5/11463123.pdf?expires=1558192456&id=id&accname=guest&checksum=887C7DF8907D12064738B9F73377A09F [ Links ]

142. Fokam EB, Levai LD, Guzman H, Amelia PA, Titanji VP, Tesh RB, et al. Silent circulation of arboviruses in cameroon. East Afr Med J. 2010 Jun;87(6):262-8. [ Links ]

143. Babaniyi OA, Mwaba P, Songolo P, Mazaba-Liwewe ML, Mweene-Ndumba I, Masaninga F, et al. Seroprevalence of Zika virus infection specific IgG in Western and North-Western Provinces of Zambia. Int J Public Health [Internet]. 2015 Jan [citado 2019 May 8];4(1):110-114. Disponível em: Disponível em: http://internationalscholarsjournals.org/print.php?article=seroprevalence-of-zikaLinks ]

144. Babaniyi OA, Chizema E, Eshetu-Shibeshi M, Malama C, Masaninga F, Mazaba-Liwewe M, et al. Risk assessment for yellow fever in western and North-Western provinces of Zambia. J Glob Infect Dis [Internet]. 2015 Jan-Mar [citado 2019 May 8];7(1):11-7. Disponível em: Disponível em: http://www.jgid.org/article.asp?issn=0974-777X;year=2015;volume=7;issue=1;spage=11;epage=17;aulast=Babaniyi . doi: 10.4103/0974-777X.150884 [ Links ]

145. Lourenço J, Lourdes Monteiro M, Valdez T, Monteiro Rodrigues J, Pybus O, Rodrigues Faria N. Epidemiology of the Zika virus outbreak in the Cabo Verde Islands, West Africa. PLoS Curr [Internet]. 2018 Mar [citado 2019 May 8];10:pii. Disponível em: Disponível em: http://currents.plos.org/outbreaks/article/epidemiology-of-the-zika-virus-outbreak-in-the-cabo-verde-islands-west-africa/Links ]

146. Guerbois M, Fernandez-Salas I, Azar SR, Danis-lozano R, Alpuche-Aranda CM, Leal G, et al. Outbreak of Zika virus infection, Chiapas State, Mexico, 2015, and First con fi rmed transmission by aedes aegypti mosquitoes in the Americas. J Infect Dis [Internet]. 2016 Nov [citado 2019 May 8];214(9):1349-56. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/jid/article/214/9/1349/2576416 . doi: 10.1093/infdis/jiw302 [ Links ]

147. Likos A, Griffin I, Bingham AM, Stanek D, Fischer M, White S, et al. Local mosquito-borne transmission of Zika virus - Miami-Dade and Broward Counties, Florida, June-August 2016. MMWR Morb Mortal Wkly Rep [Internet]. 2016 Sep [citado 2019 May 8];65(38):1032-8. Disponível em: Disponível em: https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/65/wr/mm6538e1.htm . doi: 10.15585/mmwr.mm6538e1 [ Links ]

148. Lednicky J, Beau de Rochars VM, El Badry M, Loeb J, Telisma T, Chavannes S, et al. Zika virus outbreak in Haiti in 2014: molecular and clinical data. PLoS Negl Trop Dis [Internet]. 2016 Apr [citado 2019 May 8];10(4):e0004687. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0004687 . doi: 10.1371/journal.pntd.0004687 [ Links ]

149. Daudens-Vaysse E, Ledrans M, Gay N, Ardillon V, Cassadou S, Najioullah F, et al. Zika emergence in the French territories of America and description of first confirmed cases of Zika virus infection on Martinique, November 2015 to February 2016. Euro Surveill [Internet]. 2016 Jul [citado 2019 May 8];21(28). Disponível em: Disponível em: https://www.eurosurveillance.org/content/10.2807/1560-7917.ES.2016.21.28.30285 . doi: 10.2807/1560-7917.ES.2016.21.28.30285 [ Links ]

150. Reusken C, Pas S, GeurtsvanKessel C, Mögling R, Kampen J, Langerak T, et al. Longitudinal follow-up of Zika virus RNA in semen of a traveller returning from Barbados to the Netherlands with Zika virus disease, March 2016. Euro Surveill [Internet]. 2016 Jun [citado 2019 May 8];21(23). Disponível em: Disponível em: https://www.eurosurveillance.org/content/10.2807/1560-7917.ES.2016.21.23.30251 . doi: 10.2807/1560-7917.ES.2016.21.23.30251 [ Links ]

151. Araúz D, Urriola L, Jones J, Castillo M, Martínez A, Murillo E, et al. Febrile or exanthematous illness associated with Zika, dengue, and chikungunya. Emerg Infect Dis [Internet]. 2016 Aug [cited 2019 May 8];22(8):1515-7. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/22/8/16-0292_article . doi: 10.3201/eid2208.160292 [ Links ]

152. Thomas DL, Sharp TM, Torres J, Armstrong PA, Munoz-Jordan J, Ryff KR, et al. Local transmission of Zika virus--Puerto Rico, November 23, 2015-January 28, 2016. MMWR Morb Mortal Wkly Rep [Internet]. 2016 Feb [citado 2019 May 8];65(6):154-8. Disponível em: Disponível em: https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/65/wr/mm6506e2.htmLinks ]

153. Codrington J, Roosblad J, Baidjoe AY, Holband N, Adde A, Kazanji M, et al. Zika virus outbreak in Suriname, a report based on laboratory surveillance data. PLoS Curr [Internet]. 2018 May [citado 2019 May 8];10:pii. Disponível em: Disponível em: http://currents.plos.org/outbreaks/index.html%3Fp=75436.htmlLinks ]

154. Ryan SJ, Carlson CJ, Stewart-Ibarra AM, Borbor-Cordova MJ, Romero MM, Cox S, et al. Outbreak of Zika virus infections, Dominica, 2016. Emerg Infect Dis [Internet]. 2017 Nov [citado 2019 May 8];23(11):2016-7. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/23/11/17-1140_articleLinks ]

155. Boyer Chammard T, Schepers K, Breurec S, Messiaen T, Destrem AL, Mahevas M, et al. Severe thrombocytopenia after Zika virus infection, Guadeloupe, 2016. Emerg Infect Dis [Internet]. 2017 Apr [citado 2019 May 8];23(4):696-8. Disponível em: Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/23/4/16-1967_article . doi: 10.3201/eid2304.161967 [ Links ]

156. Waggoner JJ, Gresh L, Vargas MJ, Ballesteros G, Tellez Y, Soda KJ, et al. Viremia and clinical presentation in Nicaraguan patients infected with Zika virus, chikungunya virus and dengue virus. Clin Infect Dis [Internet]. 2016 Dec [citado 2019 May 8];63(12):1584-90. Disponível em: Disponível em: https://academic.oup.com/cid/article/63/12/1584/2282806 . doi: 10.1093/cid/ciw589 [ Links ]

157. Barzon L, Pacenti M, Berto A, Sinigaglia A, Franchin E, Lavezzo E, et al. Isolation of infectious Zika virus from saliva and prolonged viral RNA shedding in a traveller returning from the Dominican Republic to Italy, January 2016. Euro Surveill [Internet]. 2016 [citado 2019 May 8];21(10):30159. Disponível em: Disponível em: https://www.eurosurveillance.org/content/10.2807/1560-7917.ES.2016.21.10.30159 . doi: 10.2807/1560-7917.ES.2016.21.10.30159 [ Links ]

158. Pacheco O, Beltrán M, Nelson CA, Valencia D, Tolosa N, Farr SL, et al. Zika virus disease in Colombia - preliminary report. N Engl J Med [Internet]. 2016 Jun [citado 2019 May 8. Disponível em: Disponível em: http://www.isags-unasul.org/uploads/biblioteca/6/bb[656]ling[3]anx[2166].pdf . doi: 10.1056/NEJMoa1604037 [ Links ]

159. Saba Villarroel PM, Nurtop E, Pastorino B, Roca Y, Drexler JF, Gallian P, et al. Zika virus epidemiology in Bolivia: a seroprevalence study in volunteer blood donors. PLoS Negl Trop Dis [Internet]. 2018 Mar [citado 2019 May 8];12(3):e0006239. Disponível em: Disponível em: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0006239 . doi: 10.1371/journal.pntd.0006239 [ Links ]

160. Villamil-Gómez WE, Rodríguez-Morales AJ, Uribe-García AM, González-Arismendy E, Castellanos JE, Calvo EP, et al. Zika, dengue, and chikungunya co-infection in a pregnant woman from Colombia. Int J Infect Dis [Internet]. 2016 Oct [citado 2019 May 8];51:135-8. Disponível em: Disponível em: https://www.ijidonline.com/article/S1201-9712(16)31125-0/fulltext . doi: 10.1016/j.ijid.2016.07.017 [ Links ]

161. Sánchez-Carbonel J, Tantaléan-Yépez D, Aguilar-Luis MA, Silva-Caso W, Weilg P, Vásquez-Achaya F, et al. Identification of infection by chikungunya, Zika, and dengue in an area of the Peruvian coast. Molecular diagnosis and clinical characteristics. BMC Res Notes [Internet]. 2018 Mar [citado 2019 May 8];11(1):175. Disponível em: Disponível em: https://bmcresnotes.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13104-018-3290-0 . doi: 10.1186/s13104-018-3290-0 [ Links ]

*Artigo derivado de tese de doutorado intitulada ‘Dispersão, prevalência e dinâmica da transmissão do vírus Zika, de 1947 a 2018’, defendida por Gilmara de Souza Sampaio junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia, em 21 de março de 2019.

Recibido: 04 de Febrero de 2019; Aprobado: 17 de Abril de 2019

Endereço para correspondência: Gilmara de Souza Sampaio - Universidade Federal da Bahia, Hospital Universitário Edgard Santos, Laboratório de Pesquisa em Infectologia, Rua João das Botas, no 157b, Canela, Salvador, BA, Brasil. CEP: 40110-160 E-mail: gilmara.s.sampaio@hotmail.com

Contribuição dos autores

Netto EM, Sampaio GS, Brites C, Moreira-Soto A e Drexler JF participarama da concepção, planejamento do estudo, redação e revisão crítica do conteúdo do manuscrito. Sampaio GS e Miranda FL coletaram e analisaram os dados do estudo. Todos os autores aprovaram a versão a ser publicada e assumem responsabilidade por todos os aspectos do trabalho, incluindo a garantia de sua precisão e integridade.

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons