SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.2 número1Epidemiologia molecular de rotavírus genótipo G2 na Amazônia Brasileira ao longo de 16 anos (1992-2008)Avaliação do teste de aglutinação com partículas de látex sensibilizadas com exoantígeno bruto de Paracoccidioides brasiliensis no sorodiagnóstico da paracoccidioidomicose índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão On-line ISSN 2176-6223

Rev Pan-Amaz Saude v.2 n.1 Ananindeua mar. 2011

http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232011000100014 

RESUMO DE TESE E DISSERTAÇÃO

 

Caracterização molecular dos genótipos G e P de rotavírus, cepa G9, de crianças com gastrenterite aguda na Região Metropolitana de Belém, Estado do Pará, de 1999 a 2007

 

 

Sylvia de Fátima Santos Guerra; Luana da Silva Soares; Joana D'Arc Pereira Mascarenhas

Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Ananindeua, Pará, Brasil

Endereço para correspondência
Correspondence
Dirección para correspondencia

 

Título original: Molecular characterization of G and P rotavirus genotypes, G9 strain, from children with acute gastroenteritis in the Metropolitan Region of Belém, Pará State, from 1999 to 2007. Traduzido por: André Monteiro Diniz.

 

 


RESUMO

O rotavírus (RV) é o principal agente viral associado à gastrenterite, sendo responsável por 39% de todas as internações hospitalares decorrentes de casos de diarreia, bem como por aproximadamente 520 mil mortes de crianças de até cinco anos de idade. Pertencente à família Reoviridae, gênero Rotavirus, seu genoma é composto por 11 segmentos de RNA de cadeia dupla que codificam seis proteínas virais estruturais (VPs) e seis proteínas virais não estruturais (NSPs). As proteínas VP4 e VP7 compõem o capsídeo externo do RV e definem os genótipos P e G, respectivamente. Até o momento, no mínimo 23 genótipos de RV do tipo G e 31 do tipo P já foram identificados. Já foi registrada a emergência global das cepas do sorotipo G9, as quais são associadas à doença mais grave em humanos. Há também o registro de dupla especificidade, sendo que, na maioria das vezes, as cepas de G9 pertencem ao genótipo P[8]. Enquanto o genótipo G9 apresenta seis diferentes linhagens, quatro linhagens distintas são reconhecidas como pertencentes ao genótipo P[8]. Este estudo teve como objetivo caracterizar os genes VP4 e VP7 dos genótipos G9 de RV que circularam na Região Metropolitana de Belém, Estado do Pará, na Região Norte do Brasil, de 1999 a 2007. O dsRNA viral de 38 amostras foi extraído de suspensão fecal e analisado com o uso de eletroforese em gel de poliacrilamida para determinar os eletroferotipos, seguido de reações sequenciais. No total, 32 amostras de G9P[8] foram analisadas e todas elas apresentaram eletroferotipo longo. A análise filogenética do gene VP7 mostrou que todas as cepas de G9 pertenciam à linhagem 3 com um certo grau de similaridade entre elas; apenas oito alterações nucleotídicas foram detectadas nesta linhagem. Entretanto, foram observadas apenas três substituições de aminoácidos neste estudo, nas posições 43 (IV), 66 (AV) e 73 (QR). As substituições nas posições 43 e 73 foram observadas somente nas amostras de 2007. A análise filogenética do gene VP4 revelou que todas as cepas de P[8] pertenciam à linhagem 3, com 15 alterações nucleotídicas correspondendo às quatro substituições de aminoácidos nas posições 108 (VI), 172 (RK), 173 (IV) e 275 (KR). As substituições de aminoácidos nas posições 172 e 275 foram observadas apenas em isolados de RV de 1999 a 2002. No total, as amostras de RV G9 demonstraram uma alta homologia por todo o período investigado. Curiosamente, as cepas isoladas em 2007 foram as mais divergentes no que diz respeito aos genes VP4 e VP7. Os resultados ressaltam a necessidade de uma vigilância contínua de cepas de RV circulantes em nossa região para detectar a emergência de novas variantes genéticas que representariam um desafio às estratégias atuais de imunização a RV. Esta vigilância deve incluir um monitoramento de perto da diversidade genética das cepas emergentes de G9.

Palavras-chave: Variação Genética; Genótipo; Gastroenterite.


 

 

Correspondencia /Correspondência /Correspondence
Sylvia de Fátima Santos Guerra
Instituto Evandro Chagas
Rodovia BR 316, km 7, s/no, Levilândia
CEP:67030-000
Ananindeua-Pará-Brasil
Tel: +55 (91) 3214-2025
E-mail:syviaguerra@iec.pa.gov.br

Recebido em / Received / Recibido en: 24/11/2010
Aceito em / Accepted / Aceito en: 25/2/2011