SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.2 número4Avaliação quantitativa da função sexual feminina correlacionada com a contração dos músculos do assoalho pélvicoROBERT RENÉ KILLICK-KENDRICK MPhil, PhD, DSc, FSB 20 June, 1929 - 22 October, 2011 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão On-line ISSN 2176-6223

Rev Pan-Amaz Saude v.2 n.4 Ananindeua dez. 2011

http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232011000400007 

COMUNICAÇÃO | COMMUNICATION | COMUNICACIÓN

 

Primeiro registro de Lutzomyia termitophila Martins, Falcão e Silva (1964) e Lutzomyia hermanlenti Martins, Silva e Falcão(1970)(Diptera: Psychodidae) no Estado do Pará, Brasil

 

First record of Lufzomyia termitophila Martins, Falcão and Silva (1964) and Lutzomyia hermanlenti Martins, Silva and Falcão (1970)(Diptera: Psychodidae) in Pará State, Brazil

 

Primer registro de Lutzomyia termitophila Martins, Falcão e Silva (1964) y Lutzomyia hermanlenti Martins, Silva e Falcão (1970)(Diptera: Psychodidae) en el Estado de Pará, Brasil

 

 

Thiago Vasconcelos dos Santos; lorlando da Rocha Barata; Adelson Alcimar Almeida de Souza; Fernando Tobias Silveira; Ralph Lainson

Instituto Evandro Chagas/SVS/MS, Ananindeua, Pará, Brasil

Endereço para correspondência
Correspondence
Dirección para correspondencia

 

 


RESUMO

O estudo reporta o primeiro registro de Lutzomyia termitophila Martins, Falcão e Silva (1964) e Lutzomyia hermanlenti Martins, Silva e Falcão (1970) (Diptera: Psychodidae) no Estado do Pará, Brasil. Os espécimes foram capturados na Serra dos Carajás, Município de Parauapebas, mesorregião sudeste paraense, utilizando-se armadilhas CDC instaladas em diferentes áreas e tipos de vegetação, tendo sido encontrados na Serra Sul e Área de Proteção Ambiental do Igarapé Gelado. O encontro destes flebotomíneos na área estudada amplia a distribuição geográfica dos mesmos e eleva para 128 o número de espécies registradas no Estado do Pará.

Palavras-chave: Psychodidae; Dípteros; Fauna.


ABSTRACT

This study reports the first record of lutzomyia termitophila Martins, Falcão and Silva (1964) and Lutzomyia hermanlenti Martins, Silva and Falcão (1970) (Diptera: Psychodidae) in Pará state, Brazil. Specimens were captured in Serra dos Carajás, Municipality of Parauapebas, Southeast Mesoregion of Pará, using CDC light traps installed in different areas with different types of vegetation. The specimens were examined in the Serra Sul and the Igarapé Gelado Environmental Protection Area. The discovery of these phlebotomine sand flies in the study area extends their geographic distribution and brings the total number of sand fly species recorded in Pará State to 128.

Keywords: Psychodidae; Diptera; Fauna.


RESUMEN

El estudio informa sobre el primer registro de Lutzomyia termitophila Martins, Falcão e Silva (1964) y Lutzomyia hermanlenti Martins, Silva e Falcão (1970) (Diptera: Psychodidae) en el Estado de Pará, Brasil. Los especimenes fueron capturados en la Sierra dos Carajás, Municipio de Parauapebas, mesoregión Sudeste Paraense, utilizando trampas CDC instaladas en diferentes áreas y tipos de vegetación, habiendo sido encontrados en la Sierra Sur y Área de Protección Ambiental del Igarapé Gelado. El hallazgo de esos flebótomos en el área estudiada amplía la distribución geográfica de los mismos y eleva para 128 el número de especies registradas en el Estado de Pará.

Palabras claves: Psychodidae; Dipteros; Fauna.


 

 

Flebotomíneos são insetos com ampla distribuição geográfica, ocorrendo sob as mais diversas condições climáticas e de altitude, nos ambientes silvestres, rurais e até urbanos. Suas denominações populares são inúmeras, variando em cada região geográfica1.

Dos 515 táxons de Phlebotominae Scopoli 1786 descritos até o momento no Novo Mundo nas categorias de espécies ou subespécies, sendo 449 atuais e 16 fósseis2, no Brasil tem-se conhecimento de 2313, representando aproximadamente 29% do total e 48% da região neotropical1.

No Estado do Pará são catalogadas 126 espécies, sendo 117 do gênero Lutzomyia França 1924 e nove pertencentes a Brumptomyia França e Parrot 19214. Dentre as envolvidas na transmissão da leishmaniose tegumentar americana (LTA), merecem destaque Lutzomyia (Nyssomyia) flaviscutellata Mangabeira Filho 1942, como transmissor de Leishmania (Leishmania) amazonensis Lainson e Shaw 1972; Lutzomyia (Psychodopygus) wellcomei Fraiha, Shaw e Lainson 1971 e Lutzomyia (Nyssomyia) whitmani Antunes e Coutinho 1939, como transmissores de Leishmania (Viannia) braziliensis Vianna 1911; e Lutzomyia (Nyssomyia) umbratilis Ward e Fraiha 1977, como transmissor de Leishmania (Viannia) guyanensis Floch 19545.

A transmissão da leishmaniose visceral (LV) no Pará é atribuída exclusivamente a Lutzomyia (Lutzomyia) longipalpis Lutz e Neiva 19126, embora em outros estados brasileiros outras espécies já tenham sido investigadas7.

A província mineral de Serra dos Carajás (5o 35' 6o 00' Sul e 50o 24' 51o 06' Oeste), localizada na mesorregião sudeste paraense é uma região de intenso fluxo migratório causado pelas atividades de extração mineral. As primeiras pesquisas sobre a fauna flebotomínica da região surgiram nos anos 1970, com o aparecimento de casos de LTA em trabalhadores da extração mineral, que motivaram estudos sobre a ecoepidemiologia da doença8.

Durante o período de 2007 a 2010, foram realizadas nove excursões de 30 dias cada para coletas de flebotomíneos na Serra dos Carajás nas áreas: Mina de manganês do Azul, Floresta Nacional do Tapirapé-Aquiri, Área de Proteção Ambiental do lgarapé Gelado e Serra Sul, objetivando avaliar a situação saúde-doença nas áreas de influência do projeto Salobo e do Parque Zoobotânico,  decorrente  do  ecossistema local e movimentos migratórios. Em cada captura foram utilizadas dez armadilhas luminosas do tipo CDC a 1,5 m do solo, durante 12 h (entre 18 h e 6 h) e, no período de 18 h a 20 h, foi usada armadilha de Shannon. A identificação das espécies seguiu a classificação proposta por Young e Duncan1 com auxílio da chave de Ryan9. O material coletado encontra-se depositado na coleção de flebotomíneos do Laboratório de Leishmanioses do Instituto Evandro Chagas.

Foram coletados 37.131 flebotomíneos (13.379 machos e 23.752 fêmeas) de 70 espécies diferentes, sendo 67 pertencentes aos gêneros Lutzomyia e três a Brumptomyia. Alguns resultados mais detalhados de parte desta pesquisa (referente às excursões de 2005 a 2007) encontram-se em outra publicação10. O que chamou atenção para a presente comunicação foi encontrar cinco exemplares fêmeas de Lutzomyia termitophila Martins, Falcão e Silva, 1964 (Figura 1) durante as excursões de novembro de 2008 e agosto de 2010 na Serra Sul, em vegetação de canga, sendo três deles capturados próximo a uma gruta. Outra espécie encontrada foi Lutzomyia hermanlenti Martins, Silva e Falcão 1970 (27 fêmeas e 22 machos) (Figura 2) na Área de Proteção Ambiental do Igarapé Gelado em vegetação de floresta ombrófila durante as excursões de junho de 2007 e março de 2008. As espécies de maior importância na transmissão da LTA encontradas durante o estudo foram: Lu. whitmani Antunes e Coutinho 1939 (2.693 espécimes), Lu. wellcomei Fraiha, Shaw e Lainson 1971 (184 machos) e Lu. flaviscutellata Mangabeira 1942 (200 espécimes). Faz-se notável, também, o registro de 1.010 espécimes de Lu. longipalpis capturados na Serra Sul pela primeira vez durante as coletas de 2008 a 2010, corroborando os resultados de José Antônio Marin Fernandes et al, ao analisar a fauna local durante o mesmo período (dados não publicados). Mais esclarecimentos sobre o achado serão relatados em publicações futuras.

 

 

 

 

Lu. termitophila tem sido registrado em vários Estados do Brasil. Entretanto, na Região Norte sua distribuição estava restrita aos Estados de Tocantins e Rondônia4. A espécie teve primeiramente o macho descrito por Martins et al11 a partir de exemplares capturados em ninho de cupim (térmita) em Lagoa Santa, Estado de Minas Gerais. Anos depois, os mesmos autores descreveram a fêmea a partir de espécimes coletados de várias localidades de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Rondônia12.

Recentes trabalhos no Distrito Federal encontraram este flebotomíneo em galinheiros e no cerrado13,14, demonstrando estar adaptado a ambientes modificados, como já assinalado em outras regiões15. Mesmo com escassos estudos sobre sua biologia e ecologia, aliados à ausência de registros de infecção natural por Leishmania spp, sua presença em áreas de transmissão junto a outros vetores de LTA não descarta a possibilidade de investigar­se a sua competência vetorial14.

Lu. hermanlenti tem sido registrado nos Estados de Tocantins, Maranhão, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais4 e São Paulo16. Foi primeiramente descrito em Porto São Miguel, Município de Arinos, Minas Gerais, a partir de machos e fêmeas capturados em tronco de árvore16. Mesmo sendo uma espécie muito próxima a Lutzomyia dreisbachi Causei e Damasceno 1945, também encontrada na Serra dos Carajás10, a forma do parâmero é crucial na distinção dos machos7. Até o momento não foi encontrado infectado naturalmente e seu registro se restringe ao interesse zoológico.

Mesmo sendo estudada há mais de 40 anos e considerada local de uma das faunas flebotomínicas mais diversificadas do mundo15, os achados revelam que ainda há muito a se investigar na região da Serra dos Carajás no que tange à ecoepidemiologia das leishmanioses e biologia de flebotomíneos, pois o encontro de Lu. termitophila e Lu. hermanlenti nas áreas estudadas amplia suas distribuições geográficas e eleva de 126 para 128 o número de espécies registradas no Estado do Pará.

 

AGRADECIMENTOS

À assistência técnica de: Edna de Freitas Leão, Fábio Márcio Medeiros da Silva, José Aprígio Nunes Lima, Luciene Aranha da Silva, Maria Sueli Barros Pinheiro e Roberto Carlos Feitosa Brandão.

 

REFERÊNCIAS

1 Young DG, Duncan MA. Guide to the identification and geographic distribution of Lutzomyia sand flies in Mexico, the West Indies, Central and South America (Diptera: Psychodidae). Gainesville: Associated Publishers; American Entomological Institute; 1994. 881 p. [Link]

2 Galati EAB. Morfologia e taxonomia: classificação de Phlebotominae. In: Rangel EF, Lainson R, editores. Flebotomíneos do Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 23-51.

3 Silva DF, Freiras RA, Franco AMR. Primeiro registro de Lutzomyia araracuarensis (Morales & Minter) (Diptera: Psychodidae) no Brasil. Neotrop Entomol. 2010 set-out;39(5):833-4. Doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1519-566X2010000500027 [Link]

4 Aguiar GM, Medeiros WM. Distribuição regional e hábitats das espécies de flebotomíneos do Brasil. In: Rangel EF, Lainson R, editores. Flebotomíneos do Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 207-55.

5 Rangel EF, Lainson R. Proven and putative vectors of American cutaneous leishmaniasis in Brazil: aspects of their biology and vectorial competence. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2009 Nov;104(7):937-54. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762009000700001 [Link]

6 Lainson R, Rangel EF. Lutzomyia longipalpis and the eco-epidemiology of American visceral leishmaniasis, with particular reference to Brazil - A Review. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2005 Dec;100(8):811-82. Doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762005000800001  [Link]

7 Santos SO, Arias J, Ribeiro AA, Hoffmann MP, Freitas RA, Malacco AAF. Incrimination of Lutzomyia cruzi as a vector of American Visceral Leishmaniasis. Med Vet Entomol. 1998 Jul;12(3):315-7.

8 Ward RD, Shaw JJ, Lainson R, Fraiha H. Leishmaniasis in Brazil. VIII. Observations on the Phlebotominae fauna of an area highly endemic for cutaneous leishmaniais in the Serra dos Carajás, Pará State. Trans R Soc Trop Med Hyg. 1973;67(2):174-83.

9 Ryan L. Flebótomos do Estado do Pará, Brasil (Diptera, Psychodidae, Phlebotominae). Belém: Instituto Evandro Chagas; Fundação SESP; Ministério da Saúde; 1986. 154 p. (Documento Técnico; no. 1).

10 Souza AAA, Silveira FT, Lainson R, Barata IR, Silva MGS, Lima JAN, et al. Fauna flebotomínica da Serra dos Carajás, Estado do Pará, Brasil, e sua possível implicação na transmissão da leishmaniose tegumentar americana. Rev Pan-Amaz Saude. 2010 jan-mar;1(1):45-51.

11 Martins AV, Silva JE, Falcão AL. Estudo sobre os flebótomos do Estado de Minas Gerais: VIII: Descrição e duas novas espécies, Lutzomyia hermanlenti sp.n. e Lutzomyia oliveirai sp. n. (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae). Rev Bras Biol. 1970 dez;30(4):547-53.

12 Martins AV, Falcão AL, Silva JE. Estudos sobre os flebótomos do Estado de Minas Gerais. XIV. Descrição da fêmea de Lutzomyia termitophila Martins, Falcão e Silva, 1964 (Diptera, Psychodidae, Phlebotominae). Rev Bras Biol. 1977;37(3):645-7.

13 Carvalho MSL, Bredt A, Meneghin ERS, Oliveira C. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) em áreas de ocorrência de leishmaniose tegumentar americana no Distrito Federal, Brasil, 2006 a 2008. Epidemiol Serv Saude. 2010 jul-set;19(3):227-37. [Link]

14 Barreto MB. Pesquisa de Leishmania por meio de reação em cadeia da polimerase e identificação das espécies da sub-família Phlebotoominae (Diptera: Psychodidae) em áreas de ocorrência da Leishmaniose Tegumentar Americana no Distrito Federal [dissertação]. Brasília (DF): Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde; 2011. 71 f. [Link]

15 Galati EAB, Nunes VLB, Dorval MEC, Oshiro ET, Cristaldo G, Espíndola MA, et al. Estudo dos flebotomíneos (Díptera, Psychodiade), em área de leishmaniose tegumentar, no Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Rev Saude Publica. 1996 abr;30(2):115-28. Doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000400020   [Link]

16 Odorizzi RMFN, Galati EAB. Flebotomíneos de várzea do rio Aguapeí, região noroeste do Estado de São Paulo, Brasil. Rev Saude Publica. 2007 ago;41(4):645-52. Doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101996000200002 [Link]

 

 

Correspondência / Correspondence / Correspondencia:
Thiago Vasconcelos dos Santos
Instituto Evandro Chagas/SVS/MS
Rodovia BR316, km 7, s/no,
Levilândia
CEP: 67030-000
Ananindeua-Pará-Brasil
E-mail: thiagovasconcelos@iec.pa.gov.br

Recebido em / Received / Recibido en: 29/2/2012
Aceito em / Accepted / Aceito en: 23/5/2012

 

 

In memoriam.